Invade aeroporto de Lisboa em fuga a “feitiçaria”

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

Holandês julgado por adesão ao terrorismo e atentado a avião.
Invadiu o aeroporto de Lisboa de faca por ser vítima de “feitiçaria”, após ter passado semana e meia nas mãos de “vândalos” na Síria, para onde foi prestar apoio humanitário a refugiados e não para treinar em campos jihadistas, como escreveu numa agenda.

Foi esta a história contada esta quinta-feira, no primeiro dia do julgamento, em Lisboa, por Gima Calunga, holandês nascido em Angola que o ano passado foi apanhado na Portela, junto a um avião de companhia angolana, que o Ministério Público acredita que seria alvo de atentado.

Acusado de adesão e apoio a organizações terroristas, atentado à segurança dos transportes com vista ao terrorismo, posse de arma e introdução em local vedado ao público, Calunga, 35 anos, disse nunca ter contado antes a versão por “vergonha”.

Alto, magro e com o macacão bege da cadeia do Monsanto, negou ser jihadista e só escreveu que treinou com ISIS e Al-Nusra (grupos terroristas) para se “gabar em cafés”. A invasão do aeroporto foi a 3 de julho de 2014. (cmjornal.xl.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA