INE prevê entrevistar dezasseis mil agregados

Director-geral do Instituto Nacional de Estatística (INE), Camilo Ceita (Foto: Angop/Arquivo)
Director-geral do Instituto Nacional de Estatística (INE), Camilo Ceita (Foto: Angop/Arquivo)
Director-geral do Instituto Nacional de Estatística (INE), Camilo Ceita (Foto: Angop/Arquivo)

Cerca de dezasseis mil agregados familiares serão entrevistados até o final do Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS 2015), que se realiza desde Outubro desta ano, em todo país, informou hoje, quarta-feira, em Luanda, o director-geral do Instituto Nacional de Estatística INE, Camilo Ceita.

Camilo Ceita avançou esta informação durante uma conferência de imprensa, tendo sublinhado que o IIMS 2015 está a ser levado a cabo em parceria com o Ministério da Saúde e conta com a participação de cerca de 250 técnicos que estão a trabalhar em todo país, com equipas associadas à Inquiridores do INE e de técnicos do Ministério da Saúde.

De acordo com o responsável, o INE tem as condições criadas para o sucesso do inquérito que acontece pela primeira vez no país.

“Este inquérito tem a particularidade de ser pela primeira vez recolhido num suporte novo, que o INE está a implementar ou seja a recolha da informação não é feita em papel é feita através de computadores portáteis, que vai permitir melhor qualidade da informação e uma disponibilidade dos dados muito rapidamente”, disse.

Acrescentou que este tipo de inquérito tem uma particularidade que é a recolha dos dados biométricos, que vai permitir poder definitivamente e de forma segura ter a incidência do VIH/Sida, malária e anemia no país.

Segundo o responsável, este inquérito é de extrema importância, apelando os órgãos de comunicação social no sentido de divulgar o inquérito para que as taxas de recusa dos agregados familiares sejam mínimas possíveis.

“Porque estamos a registar de alguma forma que quando se chega numa determina residência, informamos que para além das respostas que ele tem de prestar é necessário fazer uma recolha de sangue, o que parece algo estranho mas é normal”, adiantou.

Em termos de confidencialidade dos dados, Camilo Ceita garante que todos os cuidados estão assegurados, porque a recolha de sangue para saber a prevalência da malária e VIH é feita de tal forma que não associa os dados da pessoa, porque os dados fornecidos são confidenciais e servirão unicamente para o direccionamento as acções do Governo em benefício da saúde, educação e bem-estar da população.

“Todo inquérito está a ser feito dentro das normas internacionais, respeitando igualmente a comissão de ética do Ministério da Saúde”, garante.

O Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde em Angola (IIMS 2015) está a ser levado a cabo pelo Instituto Nacional de Estatística em parceria com o Ministério da Saúde, desde Outubro deste ano.

O inquérito tem um custo de nove milhões de dólares financiados pelo Governo de Angola e outros parceiros internacionais como Banco Mundial e UNICEF.

As equipas são constituídas por um supervisor, quatro inquiridores, um cartógrafo, um técnico de saúde e um motorista, todos devidamente uniformizados.

Para este inquérito, as crianças dos 0 a 5 anos estão medidas, pesadas e a recolha de sangue no intuito de realizar-se exames de anemia e malária.

Para os homens de 15 a 54 anos e as mulheres de 15 a 49 anos também serão recolhidas amostras de sangue para testar o VIH, através de uma picada no dedo, havendo igualmente perguntas sobre a qualidade da agua, planeamento família e métodos contraceptivos.

Ao fim do Inquérito, os dados recolhidos serão utilizados para ilustrar a situação do país quanto as enfermidades de mal nutrição e anemia, malária, VIH/Sida, entre outros aspectos ligados a saúde.

O IIMS servirá de base para avaliar o grau de progresso do país na concretização dos compromissos nacionais e internacionais no domínio da saúde, relativos ao Plano Nacional de Desenvolvimento 2013/2017 e aos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio.

Participaram da conferência membros da coordenação geral do IIMS e da comissão técnica (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA