Huíla: Alargamento da rede escolar apontado com maior ganho na educação em 40 anos de independência

(Foto: Morais Silva)
(Foto: Morais Silva)
(Foto: Morais Silva)

O director provincial da educação da Huila, Américo Chicote, apontou hoje, quinta-feira, no Lubango, o alargamento da rede escolar e as mutações das infra-estruturas do sector, como um dos maiores ganhos ao longo dos 40 anos de independência de Angola.

O dirigente fez esta apreciação durante uma mesa redonda subordinada ao tema “Os ganhos dos 40 anos de independência no sector da educação na Huila”, que teve como objectivo divulgar os dados estatísticos da evolução do ensino geral e ensino superior, uma iniciativa do comité do MPLA de especialidade do ensino superior.

Américo Chicote salientou que até princípio da década de 90, a província já tinha reabilitadas e ampliadas todas as escolas herdadas da era colonial, mas o que se afigurou insuficiente, razão pela qual se apostou na construção de novas escolas, isto para alargar a oferta formativa não só ao nível primário mas também do primeiro e do segundo ciclo.

“No início tínhamos uma estrutura do ensino constituída pelo ensino primário, que na altura ia até a quarta classe, seguido do primeiro nível que era da quinta a sexta classe e terceiro nível, que compreendia a sétima e oitava, depois o ensino médio da nona a decima segunda classe”, realçou.

Quanto a oferta formativa, adiantou, existe o ensino primário, primeiro ciclo, já em todas as localidades da província e com a perspectiva de se ir até ao ensino superior em todos os municípios, fruto de parcerias e estratégias do sector.

Américo Chicote sublinhou que o governo deixou de importar manuais, tendo em conta que a industria nacional já produz e está em condições de ter no ensino primário um manual para cada disciplina, para cada aluno, não só para usar na sala de aulas mas também para utilizarem em casa para resolverem os deveres de casa.

O gestor adiantou que até a data do alcance da paz eram matriculados cerca de seis mil alunos, realidade que mudou hoje para mais de 800 mil, em função dos investimentos feitos no sector. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA