Huambo: Formação profissional dos reclusos é importante para sua reeducação

Huila: Reclusos em formação (Foto: Angop)
Huila: Reclusos em formação (Foto: Angop)
Huila: Reclusos em formação (Foto: Angop)

A realização de acções formativas dirigida aos reclusos foi considerada hoje, sexta-feira, na província do Huambo, como sendo necessária para a reeducação dos mesmos, além de facilitar a reintegração na sociedade, depois de colocados em liberdade.

A afirmação é do director em exercício do estabelecimento penitenciário desta província, sub-inspector prisional José Carlos Dias dos Santos, durante a cerimónia de encerramento da primeira fase de formação técnico-profissional dirigida a 73 reclusos da instituição.

Segundo ele, o processo de reeducação e reinserção do homem em conflito com a ordem jurídica e moral da sociedade pressupõe a sua integração nos desafios de desenvolvimento do país, mediante a sua formação profissional que o torne útil e mão-de-obra activa.

Disse ser imperiosa a capacitação técnica e profissional dos reclusos para que possam encarar com maior normalidade os desafios da sociedade, depois de cumprirem as respectivas penas.

O sub-inspector prisional José Carlos Dias dos Santos informou que o estabelecimento prisional da província do Huambo está a trabalhar com o Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional, para dar cursos profissionais à população penal.

“Com este gesto, a nossa missão de regenerar e preparar o homem para o retorno da sociedade fica facilitado. Estando certo de que os reclusos abrangidos encontrarão na sociedade uma abertura para o seu sustento e saberão conduzir suas vidas de modo socialmente responsável”, culminou.

A unidade penitenciária da província do Huambo conta com uma população penal estimada em mil e 108.

Encontram-se ainda naquela instituição oito recém-nascidos, cujas mães estão a cumprir penas, por cometerem crimes diversos. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA