Huambo: Confirmados mais de 40 mil casos de malária nos últimos dez meses

Mosquito da malária (AP)
Mosquito da malária (AP)
Mosquito da malária (AP)

Quarenta mil e 190 novos casos de malária foram confirmados de Janeiro a Outubro deste ano, em diferentes unidades sanitárias da província do Huambo, menos 12.190 diagnosticados em igual período do ano anterior.

Em declarações quinta-feira, à Angop, o chefe do departamento de Saúde Pública, Almeida Chitungo, informou que no mesmo período em balanço foram registados 27 óbitos, contra 17 de Janeiro e Outubro de 2014.

Todavia, garantiu que a situação da malária na província do Huambo está controlada pelas autoridades sanitárias, explicando que 92 por cento dos novos casos foram diagnosticados, na sua maioria, em crianças menores de cinco anos de idade e em gestantes.

Apontou os municípios do Bailundo, Londuimbali e do Mungo como sendo, entre os 11 da província, os que mais preocupam as autoridades sanitárias, tendo em conta o elevado número de casos que apresentam.

O chefe do departamento de Saúde pública confirmou, também, a distribuição gratuita, este ano, de um milhão, 15 mil e 457 mosquiteiros impregnados com insecticida com a duração de três anos, com vista a erradicar a doença na província.

Almeida Chitungo disse que para combater o mosquito, causador da malária, o sector da Saúde na região tem promovido, além das campanhas de sensibilização sobre os métodos de prevenção, acções de pulverização em algumas zonas periféricas, quer da cidade do Huambo (capital), quer das outras localidades da província.

Fruto deste trabalho, salientou o responsável, a província tem registado melhorias significativas no que concerne à diminuição dos casos de malária, ao passo que o grande problema consiste no facto de muitos cidadãos usarem os mosquiteiros para pesca, vedação de hortaliças e outras acções que atentam contra os propósitos do Governo, assentes na distribuição de mosquiteiros para evitar a picada do mosquito aos cidadãos.

O responsável mostrou-se ainda preocupado com o facto de muitos doentes chegarem tardiamente às unidades sanitárias e também com o facto de alguns optarem por auto-medicarem-se.

Instou os pais e encarregados de educação no sentido de colocarem roupas cumpridas às crianças, principalmente ao anoitecer, quando estiverem em lazer (na rua), de modo a evitar que o mosquito encontre espaço para pousar directamente no corpo dos menores.

Lembrou que a par das medidas de prevenção levadas a cabo pelas autoridades sanitárias existem ainda outras de âmbito comunitário, relacionados com a eliminação de charcos de água em casa, promoção de campanhas de limpeza na comunidade e evitar pneus no quintal ou nas proximidades das residências.

Situada no centro sul de Angola, com uma extensão territorial de 34.270 quilómetros quadrados, a província do Huambo possui 234 unidades sanitárias, subdividas em 13 hospitais, 63 centros e 158 postos de saúde, cujo funcionamento é garantido por 5.451 trabalhadores, 54 dos quais médicos nacionais.

A província possui uma população estimada em dois milhões e 700 mil habitantes distribuídas nos municípios do Huambo, Caála, Bailundo, Chicala-Cholohanga, Cachiungo, Mungo, Ecunha, Longonjo, Chinjenje, Londuimbali e Ucuma. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA