Há 100 anos a descobrir os maiores diamantes

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

São sempre notícia pela raridade, valor e beleza. Os maiores diamantes do mundo têm sempre um cunho histórico, como o Cullinan, que deu origem a várias pedras polidas, sendo que duas das maiores fazem parte das jóias da coroa britânica desde 1907

Em Janeiro de 1905 foi descoberto em Pretória, na Africa do Sul, o maior diamante bruto. O Cullinan pesava 3.106 quilates, aproximadamente 621 gramas, e foi oferecido ao rei Eduardo VII de Inglaterra em 1907, como presente de aniversário. O Cullinan foi lapidado em nove diamantes. A pedra maior, Cullinan I, de 530.20 quilates – do tamanho de um figo, aproximadamente –, adorna o ceptro real; o Cullinan II, de 317.40 quilates– do tamanho de uma ameixa–, está na coroa usada pela rainha Isabel II na sua coroação e utiliza até hoje na abertura do Parlamento.

O Cullinan III de 94.4 quilates – do tamanho de um morango grande –, e o IV de 63.3 – do tamanho de uma noz –, fazem parte de uma pregadeira usada pela rainha. Outros cinco diamantes foram colocados em pregadeiras, num colar e num anel. Praticamente 110 anos depois, segundo noticiou a Bloomberg no dia 19, foi descoberto um diamante no Botswana que tem 1.111 quilates – do tamanho de uma bola de ténis. A empresa que o desenterrou, a Lucara Diamond, garante que é o maior do século. O diamante tipo-IIa desenterrado pela empresa canadiana, foi descoberto na mina de Karowe.

“É quase impossível estimar o valor de uma pedra tão extraordinária, dado que a avaliação depende da cor, claridade e características como o corte e o polimento”, referiu Edward Sterck, analista da BMO Capital Markets, ouvido pela Bloomberg. Sabe-se, porém, que a Lucara Diamonds vendeu um diamante de tipo-IIa de 341,9 quilates em Julho deste ano por 20,6 milhões de dólares. “O comprador final será provavelmente um coleccionador de diamantes ultra valiosos”, disse Martin Potts, analista da indústria mineira da FinnCap.

“Haverá um grande prestígio em ter o maior diamante que não faça parte de uma colecção real”, concluiu. A descoberta deste diamante saldou-se num ganho de 30%, que se traduz em 197 milhões de dólares, em apenas uma sessão para as acções da Lucara Diamond Corp e sinaliza a importância da mina onde foi encontrado. De salientar que a Lucara também disse ter encontrado outros dois grandes diamantes brancos. O primeiro pesa 813 quilates antes de limpeza, o que significa provavelmente está entre os dez maiores já encontrados.

O segundo tem 374 quilates. Antes desta descoberta no Botswana, o Lesotho Promise era a maior pedra preciosa em diamantes encontrada este século, sendo o 15º maior diamante já encontrado até hoje. A pedra foi encontrada na Mina de Diamantes Letseng no Lesoto, na região sul do continente africano, uma mina reconhecida pela qualidade e pelo tamanho de seus diamantes e pela sua receita por quilate líder do sector. A Mina Letseng é de propriedade e é explorada pela Gem Diamond Mining Company of Africa Ltd, tendo como parceiro o Governo do Reino de Lesoto em 30%. O diamante Lesotho Promise foi vendido por 12,36 milhões de dólares em Outubro de 2009. Além deste diamante, a Gem Diamonds desenterrou uma pedra de 550 quilates em 2011.

Laboratórios produzem diamantes em microondas

Pedras preciosas sintéticas custam quase metade nas naturais. A norte-americana Gem Lab está a desenvolver a técnica de produção de diamantes em laboratório partindo de uma fracção de carbono colocada num microondas com metano e outro gás à base de carbono. Estes diamantes têm as mesmas características e a mesma composição química dos diamantes reais. Um quilate destes diamantes sintéticos chega a custar seis mil dólares. Já um quilate de um diamante natural pode custar dez mil dólares, de acordo com o vice-presidente da Gem Lab, Paul Cassarino.

Números

3.106  

– Quilates é quanto pesava o Cullinan descoberto em Pretória, na Africa do Sul, em 1905. Aproximadamente 621 gramas, e foi oferecido ao rei Eduardo VII de Inglaterra em 1907, como presente de aniversário.

Praticamente 110 anos depois, segundo noticiou a Bloomberg no dia 19, foi descoberto um diamante no Botswana que tem 1.111 quilates – do tamanho de uma bola de ténis. A empresa que o desenterrou, a Lucara Diamond, garante que é o maior do século. (semanarioeconomico)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA