Exploração de gratino negro atinge 28,9 milhões de metros cúbicos em um ano

Fábriga de transformação de granitos Emanha (Foto: José Krithina/arquivo)
Fábriga de transformação de granitos Emanha (Foto: José Krithina/arquivo)
Fábriga de transformação de granitos Emanha (Foto: José Krithina/arquivo)

A exploração de rochas ornamentais na província da Huiía, atingiu, em 2014, um total de 28,9 milhões de metros cúbicos, no âmbito do programa de prospecção minerais elaborado pelo Governo.

Segundo o Jornal “Economia e Finanças”, que cita dados da direcção provincial local do Ministério da Geologia e Minas, além de atender o mercado interno, o granito explorado serviu para exportação a países da Europa e Ásia.

Das17 empresas do ramo existentes na região, de acordo com os mesmos dados, nove estão no activo nos municípios da Chibia, Gambos, Quipungo e Lubango (Sede capital da província).

A par destas empresas, os dados da delegação local da geologia e minas dão conta que duas estão a desenvolver o processo de prospecção de minerais nos 14 municípios que compõem a região.

Na Huíla, está sediada a empresa Emanha, que desde 2002, faz a exploração e produção de pedras ornamentais e muito recentemente investiu 2,6 milhões de Kwanzas para aquisição de novos equipamento para suas fábricas, pedreiras e a reabilitação das suas infra-estruturas nas localidades da Huíla, Namibe e Benguela.

A empresa possui três pedreiras, com uma produção anual de 100 mil metros cúbicos de granito que alimentam fábricas próprias, cujo produto acabado é comercializado no mercado nacional. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA