Executivo manteve estabilidade macroeconómica apesar de ter sido ano difícil

Presidium do X sessão Ordinária do Comité Central (Foto: Pedro Parente)
Presidium do X sessão Ordinária do Comité Central (Foto: Pedro Parente)
Presidium do X sessão Ordinária do Comité Central (Foto: Pedro Parente)

O Presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, disse nesta sexta-feira que foi possível manter a estabilidade macroeconómica, o funcionamento regular da administração pública e dos sectores sociais, da defesa, segurança e ordem interna, apesar de 2015 ter sido um ano difícil.

Declarou que se constata que o ano de 2015 foi bastante difícil, por causa da redução significativa das receitas do petróleo, provocada pela queda em mais de 50 por cento do seu preço no mercado internacional.

O Presidente José Eduardo dos Santos discursava na abertura da X sessão ordinária do Comité Central do MPLA, realçando que melhorou significativamente a organização e gestão das Finanças Públicas, o controlo e gestão do endividamento público e da Administração Geral Tributária.

O líder do MPLA afirmou que o sector bancário nacional está cada vez mais forte, ao mesmo tempo que defende que se melhore ainda mais os serviços que os bancos comerciais prestam às empresas, às famílias e aos cidadãos em geral.

Salientou que com o surgimento do mercado de capitais e da futura Bolsa de Valores, o nosso mercado financeiro tornar-se-á uma realidade mais evidente e robusta.

Considera ser agora tempo de prestar mais atenção ao mercado do produto e ao mercado do trabalho.

Para o Presidente do MPLA, “há que definir melhor as políticas para captação para o sector bancário das poupanças das empresas e dos cidadãos, incluindo as do mercado informal”.

Falou da necessidade de melhorar também as políticas de captação de investimento privado nacional e não nacional.

Refere que estes dois factores, associados ao endividamento interno e externo controlado, que possa gerar recursos futuros para o seu pagamento, são vias que podem potenciar a actividade económica no mercado do produto e acelerar a diversificação da economia e o aumento da oferta de bens e serviços e do emprego.

Aconselha que se aproveitem as virtudes da nova Lei Geral do Trabalho para estimular o trabalho e remunerá-lo cada vez melhor.

Há que encontrar também soluções criativas para subir do nível previsto no OGE/2016, dos 3,3 porcento do crescimento do PIB para patamares acima dos 6 porcento no futuro para aumentar a riqueza nacional e para ter mais meios e instrumentos para reduzir significativamente a pobreza e melhorar as condições de bem-estar social das populações, declarou o Presidente do MPLA. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA