Erdogan conseguirá maioria absoluta hoje na Turquia?

Festa da República através da imagem do primeiro-ministro Davutoglu num cartaz a 29 de outubro em Istambul. (AFP PHOTO / DIMITAR DILKOFF)
Festa da República através da imagem do primeiro-ministro Davutoglu num cartaz a 29 de outubro em Istambul. (AFP PHOTO / DIMITAR DILKOFF)
Festa da República através da imagem do primeiro-ministro Davutoglu num cartaz a 29 de outubro em Istambul.
(AFP PHOTO / DIMITAR DILKOFF)

Os turcos estão a votar, este domingo, 01 de Novembro, para elegerem um novo parlamento, em legislativas antecipadas, com o Presidente Erdogan, a apelar ao voto útil no AKP, seu partido da justiça e desenvolvimento.

Os turcos já estão votar, desde às 7 horas deste Domingo 1 de Novembro, em eleições legislativas antecipadas, com o Presidente Recep Tayep Erdogan, decidido a conseguir a maioria absoluta, para o seu o partido AKP, partido da Justiça e do Desenvolvimento.

Erdogan, encerrou este sábado, 31 de Outubro, com um discurso virulento, uma campanha, que, aliás, foi muito violenta, reclamando aos turcos a maioria absoluta, que não conseguiu em Junho passado, não assim formar um governo de coligação.

Mas, será que o AKP vai conseguir essa maioria absoluta? A maioria dos analistas, considera que Erdogan e o seu partido ganharão estas legislativas, mas sem a tão desejada maioria absoluta. E porquê?

Por causa, do factor HDP, partido democráticos dos povos, dirigido por Selahattin Dermirtas, que está disposto a reforçar a sua presença no Parlamento, onde dispõe de 80 deputados, conseguidos, com grande surpresa, nas eleições legislativas de Junho passado.

Selahattin Demirtas, quer fazer história de novo nestas eleições deste domingo e não está de modo nenhum interessado em que o partido do Presidente Erdogan, recupere a maioria absoluta, que detinha há 13 anos e que perdeu em Junho.

Por outro lado, a campanha decorreu num clima de violência, designadamente, com o atentado em Ankara que causou 102 mortos no passado dia 10 de Outubro.

Djenirah Couto, Historiadora e professora universitária em França, em entrevista a Marcos Martins, refere a emergência do partido de esquerda e pró-curdo HDP – Partido Democrático dos Povos, que deverá confortar a sua posição e continuar a impedir que o AKP de Erdogan, conquiste a maioria absoluta. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA