Emprego no Estado ou grande empresa e um ‘canudo’ são os trampolins sociais

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

São as classes médias que se constituem como vanguarda da transformação cultural. Elas aspiram a outros planos na pirâmide, ao mesmo tempo que são fonte de aspiração para os grupos mais abaixo.

Os trampolins de ascensão social em Angola vistos como os mais garantidos e, por isso, os mais ambicionados são a estabilidade da situação profissional e as habilitações académicas, conclui o estudo do Observatório Angola sobre as classes médias do País e o mapa dos seus consumos, a que o Expansão teve acesso em exclusivo.

Hierarquicamente mapeámos, primeiro o “ter emprego a tempo inteiro”, segundo o “ser funcionário público”, terceiro o “trabalhar numa grande empresa” e, finalmente, o “ter habilitações académicas superiores” ou, no limite, formação profissional, explica José Octávio Serra Van-Dúnem, consultor sénior do projecto focado na compreensão das dinâmicas sociais e de mercado, procurando identificar os processos de formação de classes médias e os modos como elas podem evoluir qualitativa e quantitativamente.

E o mundo dos negócios não é um bom elevador social? “Claro que ter um bom negócio também pode ser um importante gerador de rendimentos, mas definitivamente não surgiu como o predominante”, explica o sociólogo e CEO da Logos Holi Consulting. (expansao.ao)

Por: Carlos Rosado de Carvalho

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA