Eleição do novo presidente da CEAST destaque social da semana finda

Novo Presidente da CEAST, Dom Filomeno do Nascimento Vieira Dias (Foto: Angop/Arquivo)
Novo Presidente da CEAST, Dom Filomeno do Nascimento Vieira Dias (Foto: Angop/Arquivo)
Novo Presidente da CEAST, Dom Filomeno do Nascimento Vieira Dias (Foto: Angop/Arquivo)

A eleição do Arcebispo de Luanda, Dom Filomeno Vieira Dias, para novo presidente da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST), durante a II plenária deste órgão, relativa ao ano de 2015, decorrida de 4 a 10, na capital do país, foi um dos assuntos que dominou o noticiário social da semana, que termina hoje, sábado termina.

Dom Filomeno Vieira Dias substitui no cargo Dom Gabriel Mbilingi, arcebispo do Lubango, que dirigiu durante oito anos esta instituição religiosa. Na ocasião, foram eleitos também bispos que fazem parte dos novos corpos directivos.

Igualmente, foi destaque nos últimos oito dias, o anúncio da assinatura de um novo acordo de cooperação no domínio da saúde, para a eliminação da malária, através de projectos transfronteiriços. O referido acordo deverá ser assinado ainda este ano, pelos oito países que fazem parte do grupo de eliminação da doença na região da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Segundo o secretário de Estado da Saúde, Carlos Alberto Maceca, que chefiou uma delegação que participou na reunião conjunta dos ministros da Saúde da SADC e responsáveis pelo combate ao VIH/Sida, fazem parte deste grupo; Angola, Botswana, Namíbia, Suazilândia, África do sul, Moçambique, Zimbabwe e Lesoto.

A semana social foi ainda marcada com a reafirmação, do ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussumua, de que o seu pelouro vai implementar a municipalização dos Serviços da Acção Social, que vem, ao encontro das políticas de desconcentração e desenvolvimento local, numa perspectiva de maior aproximação às populações no âmbito da Estratégia de Longo Prazo “Angola 2025” e do Plano Nacional de Desenvolvimento 2013/ 2017.

Por outro lado, o papel decisivo das igrejas na luta de libertação nacional, paz, unidade e reconciliação foi destacado, terça-feira, em Saurimo, pela governadora provincial da Lunda Sul, Cândida Narciso.

Em declarações à Angop, a propósito do papel das igrejas na preservação da paz, Cândida Narciso afirmou que as instituições religiosas são e sempre foram por si só um movimento de libertação e que deu o seu contributo na luta pela independência nacional em diversas áreas como a formação de quadros, entre outros aspectos.

Para a governante, a igreja precisa de elevar a sua voz e gritar com todas as suas forças, difundindo a sua mensagem de esperança e de amor que a sociedade necessita, por forma a contribuírem na pacificação dos espíritos e no regate dos valores morais e culturais no seio da população. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA