Destruídas cento e cinco minas no Bengo

Desminagem (Foto: Adão João Pedro)
Desminagem (Foto: Adão João Pedro)
Desminagem (Foto: Adão João Pedro)

Cento e cinco minas e outros engenhos explosivos não detonados foram destruídos no sábado, na localidade de Pambala, comuna de Barra do Dande, província do Bengo, em acto testemunhado pelo chefe da sala operativa da comissão executiva de desminagem, brigadeiro Afonso Belo Kayofi Kaley.

Dos engenhos explosivos removidos e destruídos constam minas anti-pessoal, anti-tanque, engenhos explosivos não detonados, armas de fogo AKM, munições e metais diversos.

Em declarações à imprensa, no local, o chefe de repartição de operações da sala operativa da comissão executiva de desminagem, coronel João Sebastião, disse que participaram deste processo de desminagem 141 efectivos das Forças Armadas Angolanas (FAA), pertencentes à casa de segurança, divididas em quatro brigadas de desminagem manual que se desdobraram nas tarefas de desminagem no território das províncias de Luanda e Bengo.

Explicou que as minas e outros engenhos explosivos foram desactivados na centralidade de Sequele (Luanda), no traçado da linha de transporte de energia de alta tensão Bucula-Mabubas e Capari-ponte sobre o rio Loge.

A remoção dos engenhos explosivos permitiu, segundo a fonte, clarificar uma área de 636 mil 587 metros quadrados e 127 quilómetros no traçado de linha de transporte de energia de alta tensão.

Sublinhou que as tarefas de desminagem foram realizadas no período compreendido de 31 de Outubro de 2011 ao 17 de Agosto de 2015, que vai permitir a restauração de uma forma segura de várias infra-estruturas e equipamentos sociais, naqueles locais, em benefício das populações.

Neste momento, disse, operam na província do Bengo, no processo de desminagem, o Instituto Nacional de Desminagem (INAD) e as Forças Armadas Angolanas, enquadradas na 9ª, 10ª, 11ª e 12ª Brigadas de Desminagem da Casa de Segurança do Presidente da República.

Por seu turno, o comandante da 12ª brigada da desminagem, tenente-coronel, Tito Augusto Chimuco, considerou positivo os trabalhos de desminagem na região desde 2009 até a data presente, porque tem levado a cabo várias actividades na localidade do futuro porto da Barra do Dande e na centralidade do Sequele na província de Luanda.

O oficial aconselhou a população a continuar a colaborar, dando a conhecer os locais onde possam existir objectos estranhos, para serem removidos e destruídos.

Já o administrador comunal de Barra do Dande, município do Dande, Abreu Augusto Leal, representante do governo do Bengo, elogiou o trabalho das brigadas de desminagem na região, por que está a facilitar a circulação de pessoas e bens, bem como na implantação dos empreendimentos económicos e sociais. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA