Cunene: Polícia aperta cerco no combate à fuga ao fisco de mercadoria

Cunene:Porta-voz do Comando da Policia Nacional no Cunene, intendente Piedade Pombal (Foto: Angop/Arquivo)
Cunene:Porta-voz do Comando da Policia Nacional no Cunene, intendente Piedade Pombal (Foto: Angop/Arquivo)
Cunene:Porta-voz do Comando da Policia Nacional no Cunene, intendente Piedade Pombal (Foto: Angop/Arquivo)

O efectivo da Polícia Fiscal na província do Cunene redobrou as acções viradas ao combate à fuga ao fisco de mercadorias a nível dos postos fronteiriços, com objectivo de desencorajar tais praticas, disse hoje, segunda-feira, em Ondjiva, o porta-voz do Comando local da Policia Nacional, intendente Piedade Pombal.

O oficial da Polícia prestou essa informação quando apresentava o balanço operativo da corporação durante os últimos sete dias, referindo que fruto desta dinâmica, no período em análise, foram registados cinco infracções aduaneiras nos postos fronteiriços de Santa-Clara, Calueque e Ruacaná, igual número em relação ao período anterior.

Piedade Pombal disse que as infracções consubstanciaram-se em transgressões cambiais e contrabando de mercadoria, que resultou na apreensão de diversas mercadorias como quatro caixa de maçãs, três de banana e apreensão de duas viaturas com matrículas namibianas de marca Toyota Hilux e Mitsubishi por caducidade do passe de importação temporária, que permite a circulação de veículos namibianos em território angolano.

Ainda durante as acções operativas, apreendeu-se também, por transgressões cambiais, um milhão e um mil e trezentos kwanzas (AKz) e 281 mil e 150 dólares namibianos (NAD), que foram depositados no Banco Nacional de Angola, frisou.

Informou que as mercadorias pertencem a cidadãos nacionais e namibianos devidamente identificados, cujos autos foram elaborados e remetidos à delegação Aduaneira em Santa Clara para o procedimento legal.

Piedade Pombal fez saber que alguns cidadãos que fazem compras na República da Namíbia e devido ao volume de mercadoria utilizam determinados pontos do perímetro fronteiriço para fazer passar os produtos, fugindo ao pagamento dos direitos alfandegários. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA