Cunene: Funcionamento dos órgão de justiça militar considerado de satisfatório- Pitta Gróz

Cunene:General Hélder Fernando Pitta Gróz,Vice-Procurador Geral da República e procurador militar (Foto: José Cachiva)
Cunene:General Hélder Fernando Pitta Gróz,Vice-Procurador Geral da República e procurador militar (Foto: José Cachiva)
Cunene:General Hélder Fernando Pitta Gróz,Vice-Procurador Geral da República e procurador militar (Foto: José Cachiva)

O Vice-procurador-geral da República e Procurador Militar, general Hélder Fernando Pitta Gróz, considerou, nesta quinta-feira, em Ondjiva, de satisfatório o nível de organização e funcionamento dos órgão de justiça militar na região.

Em declarações à imprensa, no final da sua visita de trabalho à província do Cunene, o Procurador Militar disse que a avaliação do funcionamento dos órgãos de justiça não é preocupante, não obstante algumas questões que surgem na fronteira, devido alguns crimes fronteiriços.

Neste sentido, explicou que a delocação à região serviu para baixar orientações no sentido de poder minimizar tais questões.

Dá sua visita, o general destacou ainda a ausências de casos de prisão preventiva, bem como o trabalho protagonizado pelos órgãos que intervém no sistema de justiça militar, fase ao processo de indulto que decorre no país

Hélder Fernando Pitta Gróz disse também que a construção das futuras instalações para os órgãos de justiça militar permitirão uma melhoria das condições de trabalho dos magistrados.

Entretanto, justificou que a visita de trabalho de 24 horas ao Cunene visou, sobretudo, fazer uma avaliação do desempenho dos órgãos de justiça militar na região e criar um sistema de cooperação institucional entre o órgão judiciário militar e outros, de modo a solidificar as actividades fase a situação da crise financeira no país.

Durante a jornada de trabalho, Pitta Groz manteve encontros com o comandante da Polícia Nacional, órgão de segurança e ordem interna, comandante do primeiro batalhão da 61ª brigada e orientou uma palestra dirigida aos efectivos.

Constou ainda da agenda de trabalho visita aos órgãos de Justiça do fórum comum, à unidade de prisão preventiva militar, bem como encontros de trabalho com a polícia judiciária militar, procuradoria e repartição de auditoria e disciplina. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA