Cuanza Norte: Ex-militares das ex-FAPLA cadastrados para reinserção social

Ex-militares beneficiando de apoios diversos (Foto Foto: Rosário Miranda/arquivo)
Ex-militares beneficiando de apoios diversos (Foto Foto: Rosário Miranda/arquivo)
Ex-militares beneficiando de apoios diversos (Foto Foto: Rosário Miranda/arquivo)

O Distrito de Recrutamento e Mobilização (DRM) das Forças Armadas Angolanas (FAA) está a cadastrar, no município de Cazengo, sede da província do Cuanza Norte, os ex-militares das extintas FAPLA, no quadro do processo de actualização de dados para a sua reinserção socioeconômico e produtiva.

Iniciado quinta-feira última, o processo insere-se no quadro do cumprimento do Despacho nº 54, de 25 de Junho de 2015, do chefe do Estado Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA) e decorrerá até 15 de Novembro, visando fazer um diagnóstico da real situação desses desmobilizados, bem como a sua localização, com vista a permitir possíveis apoios.

Em declarações neste sábado à Angop, em Ndalatando, o chefe do Distrito de Recrutamento e Mobilização (DRM) do Cuanza Norte, tenente-coronel Ribeiro Caiombo Tomás, disse que um dos objectivos é diagnosticar a situação dos desmobilizados e actualizar os respectivos dados, para a possível reinserção socioeconómica e produtiva.

O oficial das FAA referiu que a par das restantes províncias do país, no Cuanza Norte o processo iniciou a 15 de Setembro, devendo encerrar a 15 de Novembro, sendo que actos semelhantes decorreram já nos restantes nove, dos dez municípios que integram a província.

Aclarou que o processo vai já na sua segunda fase e que o mesmo tem registado em todos os municípios uma adesão maciça dos beneficiários, incluindo viúvas e filhos de ex-militares que após a exibição das provas exigidas são inseridos na base de dados, para posterior avaliação ao mais alto nível.

Para o efeito, os beneficiários devem constituir um processo individual contendo, entre outros documentos os comprovativos da sua passagem pelas ex- FAPLA, ou apresentar três testemunhas idóneas, aclarou.

Para Ribeiro Caiombo, a realização deste cadastramento que decorre em simultâneo um pouco por todo o país deve-se ao cepticismo anteriormente demonstrado por alguns ex-militares na primeira fase, decorrida em 2009, o que deixou muitos fora, estando agora a afluir aos postos de recenseamento, após se terem apercebido dos benefícios atribuídos em 2012 aos primeiros contemplados.

Aos reclamantes, registados anteriormente e que não tenham beneficiado de qualquer assistência está a ser exigida a apresentação do respectivo talão de cadastramento feito na primeira fase, entre outras provas.

Quanto aos ex-militares das outras extintas forças armadas, como as ex- FALA, o coronel Ribeiro Caiombo Tomas, assegurou que o seu cadastramento ou recadastrameto decorre normalmente, de modo específico. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA