Crise politica agudiza-se no Brasil com detenção de líder do Governo no Senado

Dilma Roussef e Lula da Silva (AP)
Dilma Roussef e Lula da Silva (AP)
Dilma Roussef e Lula da Silva (AP)

A prisão do líder do Governo brasileiro no Senado, Delcídio do Amaral, pode agravar ainda mais a crise política no país. O parlamentar é acusado de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato.

Numa gravação, ele oferece   50 mil reais (cerca de 18 mil dólares) mensais à família de Nestor Cerveró para tentar convencer o ex-director da área internacional da Petrobras a não fazer um acordo com o Ministério Público Federal.

Delcídio do Amaral vai permanecer detido até segunda ordem do Supremo Tribunal Federal.

Em votação aberta, o Senado brasileiro decidiu manter a ordem de prisão expedida pelo Supremo.

O cientista Político Malco Camargos entende que duas situações podem ser desencadeadas com a prisão do parlamentar.

“O primeiro é do ponto de vista da crise que o Partido dos Trabalhadores vem sofrendo nos últimos anos. Do ponto de vista prático, essa prisão não vai agravar mais a crise que o PT vem vivendo uma vez que a credibilidade do partido já está muito baixa, ou seja, tem muito pouco a perder. Para o governo, a prisão pode ter sim um peso alto uma vez que o Senador Delcídio era o líder do PT no senado, um articulador importante. No senado, era ainda um guardião do espaço de negociação que o executivo tinha com o legislativo. Perder espaço no senado significa deixar ainda mais frágil a relação executivo e legislativo vigente no Brasil atualmente”, analisou.

Camargos também entende que essa prisão deve gerar novos desdobramentos no Congresso Nacional, mais precisamente na Câmara dos Deputados, deputado Eduardo Cunha, que acumula uma série de acusações relacionadas ao esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato.

“Um outro aspecto dessa prisão é exatamente a pressão que deve acontecer agora sobre a Câmara dos Deputados. Sem dúvida, o Senado dá um exemplo para a Câmara no sentido de que senadores que têm provas contundentes por cometerem crimes vão para a cadeia. É importante também que deputados que deputados que também tenham provas contundentes (que tenham envolvimento em crimes) também devam ser punidos. Espero que esse exemplo nos ajude a ter uma democracia com mais transparência, ética, responsabilidade e com mais respeito ao voto do cidadão, ressalta.

A decisão de prender o Senador Delcídio do Amaral (PT) partiu do Ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jatona corte.

O segundo juizo do Tribunal avaliou o caso e de maneira unânime referendou a prisão.

Os ministros do Supremo Tribunal Federal reagiram com indignação às revelações de que o Senador Delcídio do Amaral tinha um plano para barrar as investigações da Lava Jato. Durante a sessão na corte, o Ministro Teori Zavascki leu diversos trechos transcritos da gravação feita pelo filho de Nestor Cerveró e parte das acusações feitas pelos procuradores.

O ministro Dias Tóffoli lamenta o ocorrido e ressalta que outras situações como essa já ocorreram.

Por sua vez, a ministra Carmen Lúcia atacou directamente o Partido dos Trabalhadores na decisão que referendou a prisão do líder do Governo no Senado.

“Na história recente da nossa pátria, houve um momento em que a maioria de nós brasileiros acreditou no mote segundo o qual uma esperança tinha vencido o medo. Depois deparamos com a Ação Penal 470 e descobrimos que o cinismo tinha vencido aquela esperança. Agora parece se constatar que o escárnio venceu o cinismo. O crime não vencerá a justiça”, garantiu.

O Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, classificou a ação dos envolvidos no caso de tipicamente mafiosa. (voa.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA