“Crise” A desculpa do momento!

Jonísio Salomão (DR)
Jonísio Salomão (DR)
Jonísio Salomão (DR)

A economia Angolana encontra-se imbuída numa crise económica, financeira e cambial desde finais do ano transacto (2014), tendo como motivo a redução do preço do petróleo no mercado internacional em mais de 50% a principal fonte de receitas e divisas para a economia, as repercussões fazem –se sentir nos vários domínios e sectores da economia e praticamente na vertente social.

A redução na entrada de divisas e a redução da importação de bens e serviços, está originar uma subida galopante da taxa de inflação que até a presente data cifra –se em 12,40%, segundo a última publicação do Instituto Nacional de Estatística (INE) referente ao mês de Outubro, valores acima do reflectido no Orçamento Geral do Estado (OGE) revisto cuja a meta encontra –se fixada dos 9%, ou seja, têm sido a principal influenciadora da significativa subida dos preços dos bens e serviços praticados na economia angolana.

A redução da receita acabou por se repercutir nas despesas públicas, sendo o executivo angolano obrigado a efectuar cortes nas despesas e investimentos em mais de 50%.

Ultimamente, a crise passou a fazer parte da maioria dos discursos e passou a ser motivo de justificação para tudo e todos, subida de preços alguns arbitrariamente, de superfícies comerciais, lojas a retalho, prestações de serviços, por curioso que pareça, serve até para justificar o incumprimento de certos projectos e programas muito deles com grau de execução financeira superior ao grau de execução física ou técnica.

Ficamos atónitos como o termo “crise” tem sido nos últimos dias mal empregue ou banalizado, as superfícies e empresas possuem a denominada estrutura de cálculo ou formação de preço e, deve ser está a base para alteração e formação dos preços em função dos inputs ou todos custos (custos totais) e matérias primas utilizadas durante o processo produtivo.

Destarte, existe a necessidade de se pautar por maior parcimónia, rigorosidade, honestidade e transparência pois não é correcto utilizar –se da “crise” como subterfúgio para tentar encobrir a incompetência, ou mau trabalho por muitos prestado.

A crise é apenas uma variável influenciadora da situação difícil que o pais está atravessar, mais não a principal, pois existem outras como: má ou danosa gestão, a incompetência, bajulação excessiva, entre outras (os) que peso significativo têm exercido na gestão deficiente ou comportamentos displicentes que hodiernamente se têm registado na má ou débil prestação de serviço público a sociedade.

A crise existem sim, mais não vamos nos aproveitar dela!

por Jonísio C. Salomão [1]

[1]Mestre em Administração de Empresas; Consultor Empresarial e Técnico Oficial de Contas.

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA