Cerca de 80 mil portugueses estão há meses sem receber em Angola

(DR)
(DR)
(DR)

Crise do petróleo está na origem do atraso no pagamento dos salários.

A crise do petróleo continua a afetar o negócio da construção civil em Angola, sendo já 80 mil o número de trabalhadores portugueses que se encontra a trabalhar naquele país mas sem receber salário. Muitos querem regressar a casa mas nem dinheiro para a passagem de avião têm, revela hoje o Jornal de Notícias.

Portugal é o segundo país com maior presença no mercado da construção africano sendo que do total de 5,3 mil milhões de euros faturados na área, dois mil são provenientes de Angola. Porém, o orçamento angolano foi feito numa altura em que o petróleo estava nos 76,5 euros. Agora está a 44 euros.

Na sequência desta crise, Reis Campos, presidente da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário, confirma a situação de que cerca de 80 mil trabalhadores estarão sem receber em média há, pelo menos, três meses. Por isso, muitos que virão a Portugal pelo Natal já não pensam em voltar.

“Há 200 mil trabalhadores portugueses a trabalhar na fileira da construção em Angola e cerca de 40% têm entre dois e seis meses de salário em atraso”, afirma o sindicalista, que revela que a empresa Soares das Costa é umas que se encontra nessa situação.

Apesar disto, “as empresas continuam a manifestar confiança neste mercado”, refere Reis Campos, que diz acreditar que as autoridades angolanas não vão deixar passar esta situação imune e que algo farão para que as consequências desta conjuntura sejam minimizadas. (noticiasaominuto.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA