Bombardeiros dos EUA voam próximos a ilhas chinesas no Mar do Sul da China, diz Pentágono

Boeing B-52 (Foto: Boeing)
Boeing B-52 (Foto: Boeing)
Boeing B-52 (Foto: Boeing)

Dois bombardeiros estratégicos norte-americanos B-52 voaram próximos às ilhas artificiais construídas pela China no Mar do Sul da China nesta semana e receberam contacto de controladores chineses, mas continuaram a missão, informou o Pentágono na quinta-feira.

A patrulha norte-americana mais recente no disputado Mar do Sul da China ocorreu antes da visita do presidente Barack Obama à região na semana que vem para participar de cúpulas, onde deve reforçar o compromisso de Washington sobre a liberdade de navegação e sobrevoo na área.

A China reivindica a maior parte do Mar do Sul da China, por onde mais de 5 triliões de dólares em mercadorias passam todos os anos, e os Estados Unidos disseram que vão continuar conduzindo patrulhas para garantir a passagem desimpedida. Vietname, Malásia, Brunei, Filipinas e Taiwan possuem reivindicações rivais na região.

Na missão mais recente, na noite de 8 e 9 de Novembro, os bombardeiros voaram “na área” das Ilhas Spratly, mas não entraram na zona de 12 milhas náuticas reivindicadas pela China como território, disse o comandante Bill Urban, porta-voz do Pentágono.

“Os B-52 estavam em uma missão de rotina no Mar do Sul da China”, disse. Segundo Urban, controladores no solo chinês entraram em contacto com os bombardeiros, mas as aeronaves continuaram a missão.

Em Pequim, perguntado sobre o caso, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hong Lei, disse que a China respeita o exercício de liberdade de navegação e sobrevoo de todos os países no Mar do Sul da China de acordo com a lei internacional. (reuters.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA