Bié: Vice-governadora garante desenvolvimento da agricultura familiar

Deolinda Belvina Gonçalves - Vice-governadora para área económica (Foto: Aurélio Segunda)
Deolinda Belvina Gonçalves - Vice-governadora para área económica (Foto: Aurélio Segunda)
Deolinda Belvina Gonçalves – Vice-governadora para área económica (Foto: Aurélio Segunda)

A vice-governadora da província do Bié para esfera económico, Deolinda Belvina Gonçalves, afirmou hoje, na cidade do Cuito, que o governo local programou para a campanha agrícola 2015/2016, acções direccionadas ao desenvolvimento da agricultura familiar, de forma a aumentar a renda dos agricultores.

A governante prestou estas declarações à Angop, quando falava da campanha agrícola em curso, acrescentando que a acção visa a aumentar os níveis de produção dos produtos do campo a nível desta região.

Deolinda Belvina Gonçalves assegurou que para tal, o governo da província do Bié programou uma serie de medidas consubstanciados na transformação das Embalas nas cooperativas agrícolas e as aldeias em associações camponesas.

A medida, segunda ela, permitirá operacionalizar a actividade agro-pecuária que resulta da necessidade de estimular a agricultura nacional, tornando-se mais competitiva a nível de outras regiões da África.

A vice-governadora salientou que neste momento, o sector da agricultura, em parceria com as associações camponesas e as autoridades tradicionais, estão a efectuar o levantamento das famílias camponeses que poderão, nos próximos dias, beneficiarem de credito campanha. Cada família, segundo ela, poderá receber inputs agrícolas avaliados em 49 mil Kwanzas, um valor, de acordo com a estrutura da actividade agrícola de subsistência que se exerce na região.

Sem adiantar o total, acrescentou que o governo já disponibilizou, através do Banco de Poupança e Crédito, os valores e as famílias que beneficiar do crédito irão reembolsar a quantia recebidas apenas com dois porcentos.

Pontualizou que o objectivo do projecto é aumentar excedente da produção das famílias camponesas, através da aplicação de tecnologias adaptadas às alterações climatéricas, na perspectiva de evitar desastres ambientais. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA