Autoridades governamentais trabalham na legalização de Cabo-verdianos residentes

Francisco Pereira da Veiga -Embaixador de Cabo Verde em Angola (Foto: Joaquina Bento)
Francisco Pereira da Veiga -Embaixador de Cabo Verde em Angola (Foto: Joaquina Bento)
Francisco Pereira da Veiga -Embaixador de Cabo Verde em Angola (Foto: Joaquina Bento)

O embaixador de Cabo-verde em Angola, Francisco Pereira da Veiga, afirmou hoje, no Lubango, província da Huíla, que as autoridades governamentais dos dois países estão engajadas no processo de actualização da documentação dos cidadãos cabo-verdianos residentes em Angola.

Falando num encontro com a comunidade cabo-verdiana residente na província da Huíla, o diplomata esclareceu que o encontro em que o primeiro ministro de Cabo-verde, José Maria das Neves, teve com Presidente de Angola, abordou-se este assunto e começou a ser executado.

“Temos conhecimentos de vários níveis de documentação dos compatriotas que residem há mais de 70 anos em Angola, e por uma razão ou outra, os documentos estão caducados, perderam, e o de título de residência vitalícia deixou de ser”, realçou, dizendo que a situação está ser resolvida.

Francisco Pereira da Veiga, referiu ainda que no mês de Agosto deste ano, a embaixada endereçou uma carta aos ministros angolanos do Interior e da Casa Civil, no sentido de agilizar o processo de renovação dos documentos dos cabo-verdianos, bem como a amnistia das eventuais multas que são consideradas como ilegais.

Anunciou igualmente que a embaixada solicitou um período extraordinário de legalização da comunidade cabo-verdiana, e nesta perspectiva aguarda-se pela resposta das autoridades competentes angolanas para analisarem o caso.

Explicou também que a embaixada está a fazer um inquérito de levantamento de cidadãos que não possuem passaportes, vistos de residência permanente e aquelas pessoas que vivem em condições extremamente difíceis.

Fez saber que o inquérito será submetido ao governo, onde os cidadãos poderão obter um subsídio de sustento e ao mesmo tempo fazer com que a comunidade residente em Angola tenham intercâmbio para poderem conversar sobre o país.

Na província da Huíla estima-se existir mais de 250 cidadãos cabo-verdianos.

Durante a sua estadia na província da Huíla, o embaixador de Cabo-verde em Angola, Francisco Pereira Veiga, manteve encontro de cortesia com a vice-governadora para o sector político e social, Maria João Chipalavela, e regressa hoje mesmo a Luanda. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA