‘Ataque turco contra o Su-24 russo foi planeado de antemão’

(Sputnik/ Dmitriy Vinogradov)
 (Sputnik/ Dmitriy Vinogradov)
(Sputnik/ Dmitriy Vinogradov)

O bombardeiro russo Su-24 não violou o espaço aéreo turco e a sua derrubada pela Turquia tinha sido planeada de antemão, disse o enviado especial da Rússia à União Europeia Vladimir Chizhov.

Vale lembrar que nesta terça-feira (24) um avião russo foi derrubado por um míssil ar-ar enquanto realizava uma missão contra posições terroristas na Síria. O presidente russo Vladimir Putin chamou ao abate do avião “golpe nas costas” por parte dos coniventes com o terrorismo.

“Não foi uma violação do espaço aéreo turco – nem voluntária, nem involuntária. Dada a velocidade em que tais aviões voam, qualquer passagem pelo espaço aéreo de um país vizinho duraria apenas alguns segundos. É muito menos do que precisam os caças turcos neste caso para se preparar após uma ordem, descolar e derrubar o avião russo”, disse Vladimir Chizhov na quarta-feira (26) ao canal Euronews.

Ele acrescentou que é “uma indicação clara de que todo este incidente foi planeado com antecedência”.

A Rússia não está preparando uma resposta militar agressiva contra a Turquia, mas vai aumentar a protecção da aviação russa para evitar novas provocações, disse o enviado.

“É claro que, do ponto de vista militar, não vamos declarar guerra contra a Turquia. Mas outras operações das Forças Aeroespaciais russas na Síria serão protegidas mais fortemente”, esclareceu Chizhov.

Ele também sublinhou que “este acto de provocação por parte da Turquia vai ter impacto negativo sobre as nossas relações bilaterais”.

Nesta terça-feira (24), um bombardeiro russo Su-24 foi derrubado por um míssil ar-ar turco em espaço aéreo sírio. Os dois pilotos do avião conseguiram se ejectar antes de o avião cair. Um dos pilotos foi ferido quando descia de pára-quedas e foi morto por islamitas. O co-piloto foi salvo e enviado para a base de Hmeymim.

Ancara declara que derrubou o avião russo porque ele violou o espaço aéreo turco, mas o Ministério da Defesa da Rússia sublinha que durante todo o voo o avião se manteve sempre sobre o território da Síria. “Isto foi registado por meios de controle objectivos”, acrescentou o departamento militar. O presidente russo Vladimir Putin chamou ao abate do avião “golpe nas costas” por parte dos coniventes com o terrorismo. (sputniknews.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA