Angola faz parte da África insubmissa – Primeiro-ministro de Cabo Verde

José Maria Neves, Primeiro-ministro de Cabo Verde (Foto: Divulgação)
José Maria Neves, Primeiro-ministro de Cabo Verde (Foto: Divulgação)
José Maria Neves, Primeiro-ministro de Cabo Verde (Foto: Divulgação)

Angola faz parte da África “insubmissa e cheia de ambição” de dar uma vida melhor aos africanos, disse nesta quinta-feira, em Luanda, o primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, a propósito das comemorações dos 40 anos da Independência Nacional, que se assinalam no próximo dia 11.

José Maria Neves falava à Angop e à TV Zimbo, a sua chegada a Luanda, para uma visita de uma semana a Angola, com o objectivo de manter contacto directo com a comunidade cabo-verdiana residente, assim como representar o seu país nas comemorações do 11 de Novembro.

Para o primeiro-ministro, o mais importante para um povo é sempre a liberdade e Angola está a viver um momento sublime, não existe nada mais significativo do que a independência e a liberdade de um povo.

Considerou que, ao longo dos últimos 40 anos, Angola ganhou experiência no que concerne a construção da paz e da estabilidade e, neste momento, está a procura do seu próprio caminho político e institucional para o bem de todos os angolanos.

“É uma experiência muito rica e positiva não só para o continente africano, mas, também, para o mundo”, afirmou o primeiro-ministro.

A independência de Angola foi proclamada, à meia-noite, do dia 11 de Novembro de 1975, por António Agostinho Neto, primeiro presidente da então República Popular de Angola.

Para participar no acto central das comemorações dos 40 anos da Independência Nacional, a assinalar-se quarta-feira, são esperados 100 convidados VIP entre Chefes de Estado e de governos ou seus representantes.

Desfiles de natureza cívico-política e militar vão marcar o acto central, que decorrerá na Praça da República, contígua ao Memorial António Agostinho Neto, em Luanda.

Para a manhã do dia 11 de Novembro estão ainda agendadas: o hasteamento da Bandeira Monumento, no Museu Nacional de História Militar; a cerimónia de deposição de coroas de flores, no sarcófago do primeiro Presidente de Angola, no interior do Memorial António Agostinho Neto.

O Memorial tem uma pista para desfiles de cerca de 500 metros de extensão, e uma tribuna com 1.979 lugares. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA