Alcançar o mercado internacional

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

Se vender para o mercado interno exige atenção e cuidados, comercializar para outros países é um desafio ainda maior. Saiba como e quando o fazer se esse é o rumo que quer para a sua empresa

maioria das empresas sonha com o mercado internacional. Mas antes de o sonho virar realidade, os empresários devem perguntar-se: em termos económicos vale a pena “trocar” o foco exclusivo no mercado interno pela combinação com o mercado externo? Para a empresa que domina o seu setor, é um caminho quase natural partir para novos mercados. Isso pode acontecer quando a concorrência fi ca muito acirrada ou quando ela não consegue escoar a sua produção no País.

Já para as empresas que vislumbram boa oportunidade de crescimento no mercado interno, a decisão sobre as exportações deve ser analisada com cuidado para se definir se essa é mesmo a melhor forma de expandir os negócios.

Mas para uma empresa conquistar o mercado internacional é preciso alguns cuidados. Além de uma maior exigência, as empresas devem estar sempre alertas ao dilema preço versus qualidade, para serem mais competitivas e ganharem a parcela de lucro que já pertence aos concorrentes externos. Para ter sucesso é antes de mais necessário que as empresas fiquem atentas ao prazo de entrega dos produtos, desempenhem um atendimento de qualidade e adaptem os seus produtos ao local de venda.

As empresas que anseiam conquistar o mercado estrangeiro podem começar por procurar, por exemplo, feiras de mercado, para expor os seus produtos e despertar interesse. A partir de uma primeira exportação as empresas vão conseguindo ‘nome’ no mercado internacional.

A primeira fase é a de penetração de mercado, a segunda é a de manutenção e a terceira é a de expansão. Na penetração, a empresa começa a ter acesso ao comércio internacional. Se a empresa entender aquele mercado como promissor e atraente, deve ter cuidados para perpetuar seus produtos naquele mercado, explicam os especialistas. Na fase de manutenção, é preciso que as pessoas já reconheçam o produto da empresa: pelo que é importante que a empresa dê importância a pormenores muito significativos como por exemplo a escolha de cores dos produtos e de embalagens, que podem não ser aceites em todos os lugares.

A rede de ‘fastfood’ McDonald’s, por exemplo, além de alguns pontos de vendas com sanduíches normais, possui restaurantes kosher em Israel, onde a comida é preparada de acordo com as leis judaicas. Por fi m, na fase de expansão, é possível galgar novos mercados e novas linhas de produtos.

A marca já deve ser reconhecida e não mais só o produto. “A empresa que atua no mercado interno é como se estivesse em uma piscina, e o mercado externo é como se fosse um oceano”, já disse à imprensa Nicola Minervini, consultor na área e autor do livro ‘O Exportador’. Para ele, a exportação é uma maneira de a empresa ganhar competitividade e, ao mesmo tempo, preparar-se para disputar também o mercado interno, que não está livre da entrada de produtos importados de outros países.

O mesmo especialista diz que quando os empresários procuram uma alternativa ao mercado interno, quando este vai mal, para crescer, é importante que repensem estratégia. Porque quando a empresa vende para fora somente quando o cenário é favorável, mas interrompe o processo quando o mercado interno volta a crescer, essa imagem fica prejudicada. Dessa forma a empresa deve procurar a exportação como uma maneira de aumentar a sua competitividade, expandir a sua atuação ou diversificar riscos.

Além disso, a exportação é uma atividade de médio e longo prazo – por isso não deve ser encarada como uma alternativa para a crise ou uma solução passageira.

Para fixar

Para uma empresa conquistar o mercado internacional é preciso alguns cuidados. Além de uma maior exigência, as empresas devem estar sempre alertas ao dilema preço versus qualidade, para serem mais competitivas e ganharem a parcela de lucro que já pertence aos concorrentes externos.

As empresas que anseiam conquistar o mercado estrangeiro podem começar por procurar, por exemplo, feiras de mercado, para expor os seus produtos e despertar interesse. A partir de uma primeira exportação as empresas vão conseguindo ‘nome’ no mercado internacional. (semanarioeconomico.ao)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA