Vice-presidente do MPLA recebe delegação cubana

Surina Costa - Secretária Organizadora da Federação da Mulher Cubana (Foto: Alberto Julião)
Surina Costa - Secretária Organizadora da Federação da Mulher Cubana (Foto: Alberto Julião)
Surina Costa – Secretária Organizadora da Federação da Mulher Cubana (Foto: Alberto Julião)

O vice-presidente do MPLA, Roberto de Almeida, afirmou hoje, segunda-feira, que as relações entre Angola e Cuba são de longa data e representou um contributo inestimável para a independência e reconstrução do país.

No encontro com a secretária organizadora da Federação das Mulheres Cubanas, Surina Costa Brooks, referiu que a experiência desta agremiação foi importante para o Partido, porque datam desde a luta de libertação Nacional, fazendo votos que essa relação continua a estreitar cada vez mais.

“A mulher cubana tem um lugar de destaque em cuba e tem sido motor de muitos progressos nos domínios da saúde, ciência e tecnologia e ensino e nós devemos beber muito dessa experiência,” sublinhou.

Roberto de Almeida abordou com a delegação o processo histórico do MPLA e da FMC e passaram em revista o passado, o relacionamento existente entre com a OMA, bem como o momento político que Cuba vive com a reabertura das relações com os EUA, bem como outros passos que estão a ser preparados nesse domínio.

Já a secretária organizadora da FMC, Surina Brooks, disse à imprensa que durante o encontro falou-se sobre o incremento das relações entre os dois países a partir do papel importante que os cubanos efectuaram ao longo do processo de independência.

Acrescentou ser pela primeira vez que vem à Angola e no continente africano, o que veio juntar o momento histórico que os une e o intercâmbio que existe com a OMA, uma organização de muito prestígio.

“Neste momento, aprendemos a sabedoria das mulheres angolanas e transportamos também a experiência das mulheres cubanas desde os 55 anos de organização depois de 56 do processo revolucionário iniciado a 1 de Janeiro de 1959, para continuar a estreitar as relações entre os dois países”.

Entretanto, no encontro que manteve com a direcção do Instituto Nacional da Criança (Inac), a secretária da FMC disse que foi analisada a possibilidade de um intercâmbio bilateral entre esta instituição e o Instituto Nacional de Assistência e Solidariedade de Cuba.

Acrescentou ter recebido explicações sobre os esforços que o Executivo angolano tem feito em prol da promoção e protecção da dos direitos da criança, bem como a criação de um conjunto de leis sobre protecção integrada da criança e o que Cuba tem feito em prol da primeira infância. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA