União Europeia abrigará 100 mil refugiados ao longo dos Balcãs

(REUTERS)
(REUTERS)
(REUTERS)

Abrigos de acolhimentos serão criados nos países da rota. Grécia deve acolher 50 mil migrantes. Em reunião de líderes do bloco sobre crise migratória, países decidem ainda enviar 400 policiais para ajudar Eslovénia.

A União Europeia (UE) criará abrigos para acolher 100 mil refugiados ao longo da rota dos Balcãs, afirmou nesta segunda-feira (26/10) o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, após a reunião com líderes europeus sobre a crise migratória, em Bruxelas.

Somente na Grécia serão estabelecidos abrigos de acolhimento para receber 50 mil refugiados, sendo que 30 mil lugares devem ser entregues até o final deste ano. O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) ficará responsável pelos 20 mil restantes.

“As pessoas que segue pela rota dos Balcãs precisam ser tratadas com dignidade. Não é possível que em 2015 pessoas precisem dormir no campo e isso com temperaturas muito baixas”, afirmou Juncker.

Os chefes de Estado e governo de países especialmente afectados pelo afluxo de refugiados se reuniram neste domingo em Bruxelas para discutir soluções sobre a crise migratória. O encontro contou com a presença de 11 líderes do bloco, incluindo Áustria, Eslovénia, Croácia, Hungria, Roménia, Bulgária, Grécia e Alemanha, além de representantes da Sérvia, Macedónia e Albânia, que não fazem parte da UE.

Durante a reunião foi determinado também o envio de 400 policiais, ainda nesta semana, para ajudar a Eslovénia diante o grande afluxo de migrantes. De acordo com o governo esloveno, somente neste domingo cerca de 15 mil refugiados chegaram ao país.

Os líderes europeus acertaram ainda que a agência de protecção de fronteiras da União Europeia (Frontex) deverá controlar melhor a passagem entre a Grécia, Sérvia, Macedónia e Albânia.

Juncker afirmou que os participantes da reunião se comprometeram a acabar com a “política de traslado” de migrantes para os países vizinhos. “Os refugiados precisam ser registados. Sem registo, sem direito”, ressaltou o presidente da Comissão Europeia.

Passo intermediário

A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, avaliou as medidas acertadas na reunião com um passo intermediário importante. “Mas serão necessários outros passos que realmente conduzam a uma solução”, ressaltou.

Depois da reunião, Merkel defendeu ainda a assinatura de acordos de readmissão com países de origem de migrantes e com a Turquia, o que possibilitaria a deportação para lá de migrantes ilegais que saíram do território turco em direcção à Europa. (dw.de)

CN/dpa/rtr

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA