UGT demarca-se da opinião do seu líder sobre o próximo governo

(Negocios)
(Negocios)
(Negocios)

A central sindical afecta ao PS esclarece que a opinião desfavorável de Carlos Silva, relativamente a um governo socialista sustentado pela esquerda, apenas compromete o próprio.

A União Geral de Trabalhadores (UGT) esclarece que a opinião desfavorável de Carlos Silva, relativamente a um governo socialista sustentado pelos partidos mais à esquerda, apenas compromete o próprio.

Em comunicado enviado às redacções, o gabinete de imprensa da central sindical afecta ao PS remete para a entrevista dada pelo secretário-geral no sábado à Antena1 e Diário Económico e “esclarece” que a opinião expressa por Carlos Silva sobre constituição do novo Governo “apenas vincula a pessoa do Secretário-geral da UGT”, não sendo uma “posição da Central ratificada nos seus órgãos sociais”.

Na referida entrevista, Carlos Silva refere, a título pessoal, a sua preferência por um entendimento do PS com a coligação PSD-CDS/PP. Um entendimento à esquerda entre os socialistas, o Bloco de Esquerda e o PCP seria “uma coligação instável”, incapaz de governar durante os quatro anos da próxima legislatura, argumenta. “Não me parece que efectivamente as forças à esquerda do Partido Socialista, dêem, na minha opinião, a garantia de estabilidade em relação ao futuro”, acrescentou o secretário-geral da UGT.

Ao demarcar-se das afirmações do seu líder, o comunicado da central sinical socialista pode ser interpretado como mais um sinal das clivagens no seio do PS entre os que preferem um entendimento com a coligação liderada por Pedro Passos Coelho, vencedora das eleições, e os que dizem ser possível um governo socialista apoiado pelos partidos mais à esquerda, opção que está a ser explorada por António Costa. (jornaldenegocios.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA