Sócrates com acesso à investigação

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) indeferiu esta quinta-feira o requerimento do Ministério Público (MP) que pedia a nulidade do acórdão que permitia à defesa de José Sócrates ter acesso aos autos da investigação. A informação foi avançada à agência Lusa pelo porta-voz dos advogados de defesa do ex-primeiro-ministro socialista José Sócrates.

“Há 22 dias que a defesa [de José Sócrates] continua sem acesso aos autos da investigação”, disse o porta-voz dos advogados de defesa do ex-primeiro-ministro, acrescentando que os advogados João Araújo e Pedro Delille estão agora a estudar o acórdão de hoje. A 24 de setembro, a Relação de Lisboa tinha decidido que não se justificava a continuação do segredo de justiça (interno)  na “Operação Marquês”, pelo que a defesa de José Sócrates deveria ter acesso a todos os autos da investigação.

O acórdão foi assinado pelos juízes desembargadores Rui Rangel (relator) e Francisco Caramelo, os mesmos que hoje decidiram indeferir o requerimento do MP. Mais tarde, a 5 de outubro, o MP suscitou a nulidade do acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, um pedido hoje indeferido.

“Princípios constitucionais” Numa nota divulgada na altura, a Procuradoria-Geral da República revelou que o Ministério Público (MP) “arguiu a nulidade do acórdão” alegando que este era nulo porque, “ao declarar o fim do segredo de justiça interno desde 15 de abril de 2015, enquanto decorre o prazo normal de inquérito, conheceu e decidiu uma questão que, por lei, está subtraída à sua apreciação”.

O MP considerou ainda que “a interpretação vertida no acórdão violou princípios constitucionais, designadamente o da proteção do segredo de justiça”. José Sócrates foi detido a 21 de novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, indiciado pelos crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito, tendo ficado preso preventivamente no Estabelecimento Prisional de Évora. A medida de coação foi alterada para prisão domiciliária, com vigilância policial, a 4 de setembro.  (cmjornal.xl.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA