Refugiados: “Quem não dissesse Deus é grande eles decapitavam”

(Euronews)
(Euronews)
(Euronews)

Novo dia, milhares de novos migrantes a entrar na União Europeia. Apenas este domingo chegaram à Croácia seis mil pessoas. Apenas pela croácia já entraram pelo menos 110 mil migrantes.

Muitos já viviam em campos de refugiados na Turquia. Trazem pouca bagagem e muitas memórias sobre o horror da guerra. “Sabe, o grupo Estado Islâmico tira-nos tudo. Eles também levaram o meu irmão, raptaram-no. Está desaparecido há um ano e quatro meses”, explica um migrante.

O Iraque e a Síria são os principais países onde o autoproclamado Estado Islâmico atua. Na Síria, além das bombas e as privações de água e comida, há que contar com a dureza dos islamitas e a sua lei. Mahir El Hallun, é um refugiado sírio que nos explica como se vivia sob domínio do Estado Islâmico: “quem fosse apanhado a fumar cortavam os dedos. E quem não dissesse Deus é grande eles decapitavam”. (euronews.com)

1 COMENTÁRIO

  1. Não tenho palavras para exprimir. As pessoas sofrem e os politicos com grandes poderes financeiros a viverem as suas grandes vidas. E dixem que estão a combater o isis. Até hoje não vemos progressos nenhum, só vemos mortes e barbaridades.

DEIXE UMA RESPOSTA