Presidente Samakuva concede audiência ao enviado da União Europeia

(UNITA)

Do partido UNITA, recebemos uma nota de imprensa com pedido de publicação que abaixo publicamos na íntegra:

(UNITA)
(UNITA)

O Presidente da UNITA, Isaías Samakuva recebeu na tarde desta terça-feira, 29 de Setembro de 2015, o representante da União Europeia para a região da África Austral.

Angel Carrilo e Isaías Samakuva abordaram várias questões relativas a situação do país e da região de uma maneira geral.

“Procurou saber o nosso ponto de vista sobre vários aspectos da vida nacional, falamos do processo político angolano, passando pelas fases que dizem respeito ao processo da democratização da sociedade angolana e neste aspecto nós falamos da realização de eleições, das próximas eleições gerais, como também da possibilidade da realização das eleições autárquicas”, informou o líder da UNITA, sem deixar de mencionar que a conversa também rondou à volta de questões económicas em que o baixo preço do barril de petróleo está a gerar muitos constrangimentos com implicações na situação social.

A questão dos direitos humanos também foi abordada numa perspectiva mais abrangente.

“A violação dos direito humanos não é apenas quando o polícia bate o cidadão, ou alguém que foi para a cadeia sem culpa formada. Nós quando falamos dos direitos humanos temos que olhar também para os direitos económicos dos cidadãos”, atestou o Presidente da UNITA.

Para o Presidente Samakuva vários sectores da sociedade em condições de ajudar a encontrar soluções para os problemas do país, não são tidos em conta, tendo apelado ao reforço do diálogo intersectorial.

“Levantamos esta necessidade do diálogo, porque pensamos que o país precisa de dialogar. Há vários sectores da sociedade angolana, cidadãos, organizações que podem ajudar a resolver problemas que o país vive mas que nem sempre têm a sua opinião escutada”, afirmou Isaías Samakuva, que encorajou a União Europeia a continuar com os seus programas de cooperacao no sentido de ajudar no esforço da diversificação da economia angolana.

“ Nós ouvimos com agrado da parte da delegação da União Europeia a promessa e o sentimento de um compromisso firme da União Europeia de continuar apoiar Angola naquilo que é necessário para criar o bem-estar das nossas populações”.

Por seu turno o Chefe da Divisão da África Austral da União Europeia disse que está em Angola a convite da Fundação Eduardo dos Santos, para participar no Seminário sobre a integração regional, contar a experiência Europeia e falar sobre a cooperação com Angola. Durante os dias que se vai manter em Angola, vai ter reuniões com os representantes do Governo, com Partidos Políticos, com a Sociedade Civil e com representantes do sector da economia. Vai ainda manter contactos com Embaixadores dos estados membros da União Europeia, para falar sobre a cooperação, relações políticas e sobre as situações em geral.

“A União Europeia tem um vasto programa de cooperação com Angola e entramos numa nova fase de cooperação, falaremos sobre os projectos que temos. A União Europeia e os países membros são os parceiros comerciais importantes. A União Europeia tem investimentos importantes aqui em Angola, em África em geral. Em África a União Europeia é o mais importante investidor então todas estas são questões a abordar em várias reuniões”.
O enviado da UE que disse ter abordado com a direcção da UNITA sobre a situação geral e colher o ponto de vista do Partido na Oposição sobre a situação política, económica e social de Angola, assegurou o compromisso da União Europeia de continuar a prestar apoio à Angola, às organizações da sociedade na luta contra a pobreza.

“Este é o objectivo central a luta contra a pobreza, mas também temos outros projectos aqui em que a União Europeia está disposta a apoiar a diversificação da economia angolana. Todos concordamos e estamos dispostos a cooperar. Temos um projecto com o Ministério do Comércio e podemos intensificar a cooperação. As empresas Europeias estão aqui não só para encaminhar dinheiro mas também para dar empregos, diversificar a economia e para o transferir o Nknow How”, concluiu. (samakuva.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA