Portugal: Banca e Jerónimo sustentam bolsa nacional

(Negocios)
(Negocios)
(Negocios)

A bolsa nacional segue com uma variação muito pouco acentuada, mas com uma tendência positiva. O cenário é idêntico entre as restantes praças europeias, num arranque de sessão pouco definido.
O PSI-20 sobe 0,05% para 5.395,47 pontos, com sete cotadas em alta, oito em queda e três inalteradas. Entre os congéneres europeus o cenário é idêntico, com os índices a registarem subidas muito ligeiras neste arranque de sessão.

A sustentar a bolsa nacional está a banca, numa altura em que o BCP sobe 0,89% para 5,7 cêntimos e o BPI aprecia 0,85% para 1,074 euros.

As duas instituições foram alvo de uma nota de análise na segunda-feira, 19 de Outubro, por parte do Deutsche Bank, com o banco liderado por Fernando Ulrich a estar entre as cotadas ibéricas preferidas da casa de investimento. A entrega dos activos africanos do BPI aos accionistas afasta as questões regulatórias e impulsiona potenciais cenários de consolidação. Esta é a perspectiva do Deutsche Bank, que elevou o preço-alvo do BPI e colocou-o entre os melhores de Portugal e Espanha.

Já em relação ao BCP, o Deutsche Bank estima que o banco liderado por Nuno Amado adie o reembolso da ajuda do Estado para 2017. O banco de investimento acrescenta que os rácios de capital e o banco na Polónia são as principais dores de cabeça para o BCP.

Ainda a sustentar o índice está a Jerónimo Martins, com uma variação muito ligeira. As acções da empresa liderada por Pedro Soares dos Santos estão a subir 0,04% para 12,73 euros. O CaixaBI emitiu uma nota de análise com a antecipação dos resultados da retalhista, prevendo que os lucros tenham crescido 4,6% para 248 milhões de euros entre Janeiro e Setembro. A Jerónimo Martins apresenta os seus resultados a 5 de Novembro.

A subir ligeiramente está também a EDP, com um ganho de 0,06% para 3,384 euros, enquanto o restante sector energético segue em queda. A Galp cai 0,19% para 9,703 euros e a EDP Renováveis perde 0,72% para 6,10 euros, depois de ontem ter anunciado que a China Three Gorges se juntou à EDP Renováveis nas eólicas offshore na Escócia. A energética chinesa vai adquirir até 30% de projecto eólico da EDP Renováveis na costa nordeste da Escócia que vai ter potência para dar energia a 700 mil famílias.

Já a Pharol sobe 2,65% para 34,9 cêntimos, depois de também ontem ter revelado que passou a deter 27,18% do capital social da Oi no seguimento da conversão voluntária de acções preferenciais em acções ordinárias da operadora brasileira. (jornaldenegocios.pt)

por Sara Antunes

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA