Palestinianos pedem força de protecção da ONU

Palestinos carregam ferido durante confronto com forças de segurança israelenses, em Ramallah, Cisjodânia, no dia 14 de outubro de 2015 (Foto de Abbas Momani/AFP)
Palestinos carregam ferido durante confronto com forças de segurança israelenses, em Ramallah, Cisjodânia, no dia 14 de outubro de 2015 (Foto de Abbas Momani/AFP)
Palestinos carregam ferido durante confronto com forças de segurança israelenses, em Ramallah, Cisjodânia, no dia 14 de outubro de 2015 (Foto de Abbas Momani/AFP)

Os palestinianos querem que as Nações Unidas considerem o envio de uma força internacional de protecção a Jerusalém oriental para ajudar a conter a violência, informou nesta quarta-feira o seu representante na organização, Riyad Mansur.

A proposta será incluída em um projecto de resolução que tem como objectivo distender a situação após semanas de confrontos entre Israel e palestinianos, que será apresentado pelos países árabes.

O projecto de resolução pedirá a retirada das forças de segurança israelitas das zonas de confronto e o envio de uma força de proteção ao redor da mesquita de Al Aqsa, na parte antiga de Jerusalém, onde os palestinianos acusam Israel de planear uma divisão da esplanada.

“Pensamos que devem ser enviados para cá observadores ou uma força internacional para garantir o statu quo e para proteger os palestinianos que vão rezar”, disse Mansur a jornalistas.

“A situação torna necessária uma protecção para o nosso povo nos territórios ocupados, a começar pela cidade velha de Jerusalém e a mesquita de Al Aqsa”, acrescentou.

Os países árabes manterão na quinta-feira uma reunião para decidir se pedem uma sessão de emergência do Conselho de Segurança sobre as crescentes tensões na Cisjordânia e em Jerusalém.

Uma reunião ordinária do Conselho de Segurança sobre o Oriente Médio será realizada na próxima semana.

Israel começou nesta quarta-feira a instalar postos de controle nos acessos aos bairros palestinianos de Jerusalém oriental, em uma tentativa de deter a actual onda de ataques contra cidadãos israelitas. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA