“Não há nada” no processo. “Só especulações fantasiosas”

(DR)
(DR)
(DR)

“Ministério público deu exemplo do que há de pior na Justiça”, entende defesa de Sócrates.

Depois de ter acesso aos autos do processo da Operação Marquês, um dos advogados de José Sócrates disse em entrevista à SIC que, “na primeira parte – até 21 de novembro de 2014, data da detenção –, não há nada a revelar, não há quaisquer justificações fundadas para prender alguém ou sequer suspeitar vagamente da prática de qualquer ato criminoso”.

Um dia após ter terminado o prazo do inquérito, Pedro Delille garante que o processo contém apenas “especulações fantasiosas”, pelo que conclui que, “na melhor das hipóteses, prendeu-se para investigar”.

“O Ministério Público está a fazer deste processo um exemplo do que há de pior na Justiça: a ação penal portuguesa, que tem por hábito arrastar prazos. Tratou-se de exibicionismo de abuso de poder”, acusou o causídico, adiantando que vai “pedir o imediato arquivamento do processo”, uma vez que o prazo de inquérito chegou ao fim sem que fosse formalizada acusação.

Também na antena da TVI, João Araújo informou que não teve acesso a todos os autos do processo, dizendo que não aceita as justificações dadas pelo Ministério Público. Mais adianta que vai “insistir pelo levantamento de todas as medidas de coação”. (noticiasaominuto.com)

DEIXE UMA RESPOSTA