Não à guerra, sim ao diálogo e não aos discursos belicistas-mensagens por ocasião dos 23 anos do AGP

(.rm.co.mz)
(.rm.co.mz)
(.rm.co.mz)

A Governadora de Gaza, Stela Pinto Novo Zeca, apela à população para não acatar aos pronunciamentos que atentem contra a paz e a unidade nacional.

A governante que falava, em Xai-Xai, a propósito dois vinte e três anos da assinatura do acordo geral de paz, disse que a paz é um bem precioso que deve ser preservado por todos.(RM Gaza)

Sofala

Em Sofala, a população do distrito de Dondo rezou, esta segunda-feira, pedindo a Deus para que encha os corações dos moçambicanos de amor, por forma a que os irmãos não se virem uns contra os outros.

Na ocasião, Eduardo Macário, em representação do Administrador de Dondo, disse que a paz alimenta-se de tolerância e de respeito pelas diferentes ideias.

Segundo Macário, o respeito pela diferença é fundamental para a manutenção da paz. (Sofala)

-Cabo Delgado

Em Cabo Delgado, o bispo da Diocese de Pemba, Dom Luís Lisboa, defende a promoção do diálogo verdadeiro e corajoso, a prática da justiça e do saber ceder, como aspectos que devem ser potenciados para a paz efectiva no país.

Dom Luís Lisboa, entende que a humildade social leva ao alcance de consensos importantes para ultrapassar as diferenças.

O prelado, que falava durante as celebrações do jubileu (setenta e cinco anos) da missão de Imbúo, recomendou a um debate profundo e honesto dos assuntos de interesse dos moçambicanos.(C Delgado)

-Inhambane

Em Inhambane, o Primeiro secretário do partido Frelimo, Carlos Mahela, defende a necessidade de se abandonarem as diferenças entre os moçambicanos e unir-se em busca de consensos para a manutenção da Paz, em Moçambique.

Mahela que falava, este domingo, a propósito da passagem dos vinte e três anos da assinatura do Acordo Geral de Paz, disse que chegou o momento, para o líder da Renamo, Afonso Dhlakama e os seus homens, abandonarem as matas.

O Primeiro secretário da Frelimo entende que, se Afonso Dhlakama abraçar este apelo, estará a devolver o sossego aos moçambicanos e a contribuir para o desenvolvimento do país. (RM Inhambane)

(rm.co.mz)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA