MinFin prevê negociar Bilhetes de Tesouro de 23,3 mil milhões Kz

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

O Ministério das Finanças (MinFin), através da Unidade de Gestão da Dívida (UGD), previu, no início da semana, colocar, até esta sexta-feira, no mercado primário, Bilhetes de Tesouro (BT) na ordem dos 23,3 mil milhões Kz, mais 17,1 mil milhões Kz (274,1%) que na semana anterior, nas maturidades de 63, 91, 182 e 364 dias.

Numa nota enviada à imprensa, o organismo avançou que na passada semana [de 21 a 25 de Setembro] havia colocado no mercado primário BT na ordem dos 6,2 mil milhões Kz, apenas para a maturidade de 91 dias. Durante este período, indica o documento, registou-se um excesso na ordem dos 1,5 mil milhões Kz e captou-se o total do excesso com uma taxa média de 8,3%, contra os 7,5 % do leilão anterior.

De acordo com o MinFin, na passada semana, para a maturidade de 364 dias, a oferta inicial foi de 1,7 mil milhões Kz. No que toca à procura, acrescenta, fixou-se nos 913,5 milhões Kz, a uma taxa média de 9,5%, contra os 9,4 % do leilão anterior.

Já na semana de 14 a 18 de Setembro, nota, o valor captado do leilão de Obrigações do Tesouro (OT), indexados à Taxa de Câmbio (TXC), realizado em apenas um dia, em virtude do feriado do Dia do Herói Nacional observado, foi de 3,2 mil milhões Kz, referente à maturidade de 2 anos.

“Assim, o rácio de cobertura apurado para a referida maturidade foi de 100%”, lê-se no comunicado, que salienta ter havido procura às OT não-reajustáveis. São denominados Títulos do Tesouro os títulos de renda fixa emitidos pelo Estado angolano (BT e OT), caracterizados como sendo de curto prazo, no caso dos BT, e de médio e longo prazo, para as OT.

Os títulos públicos têm como finalidade principal financiar as actividades do Governo, visando o crescimento contínuo da economia e o crescimento em todas as suas vertentes. Eles servem também para financiar o défice orçamental e refinanciar a dívida do País. Os leilões de BT ocorrem todas as semanas de terça a sexta-feira. (expansao.co.ao)

por Francisco de Andrade

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA