Mergulhadores com dificuldades para encontrar corpo de vítima das calemas

PROJECTO PRAIAS SEGURAS DE ANGOLA (ILUSTRAÇÃO) (Foto: Pedro Parente)

O comando de Luanda do Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros (SNPCB) encontra dificuldades para localizar um dos três corpos de pescadores que morreram afogados, esta semana, na Ilha do Cabo, distrito urbano da Ingombota, em Luanda, na sequência das calemas que afectam a região, desde o último fim-de-semana.

PROJECTO PRAIAS SEGURAS DE ANGOLA (ILUSTRAÇÃO) (Foto: Pedro Parente)
PROJECTO PRAIAS SEGURAS DE ANGOLA (ILUSTRAÇÃO) (Foto: Pedro Parente)

Em declarações hoje, quinta-feira, à Angop o porta-voz do comando provincial, Faustino Minguenji, disse que na quarta-feira foram resgatados os corpos de uma criança de dez anos de idade e de um jovem de 20 na Chicala-I e comuna do Cabo Ledo, no município da Quiçama.

De acordo com o responsável, a maior dificuldade prende-se com a agitação das águas que não permite a actuação dos mergulhadores dos serviços de náufragos para localizar os corpos.

“As águas continuam muito agitadas e o pessoal não consegue mergulhar, temos uma equipa de mergulhadores destacados no terreno e esperamos pelo abrandamento das ondas para efetuarmos as buscas”, esclareceu.

Entretanto, o administrador distrital da Ingombota, Lobato Neto disse que um dos pescadores  morreu por negligência e não no exercício da sua actividade.  Apesar das campanhas de sensibilização no sentido dos banhistas e pescadores da pesca artesanal evitarem  o mar, as pessoas continua a desobedecer.

“ Os jovens residiam no local e, apercebendo-se da intensidade das ondas, mergulharam e foram arrastados pelas águas para não mais serem vistos”, acrescentou.

De acordo com Lobato Neto, as ondas do mar chegaram a atingir cerca de dois metros de altura e inundaram a zona terrestre.

O Serviço Nacional de Bombeiros através da Unidade de Náufragos, localizada na zona da Chicala I, instalou um sistema de alerta para prevenir a população em caso de aproximação de calemas.

Com cerca de 10 quilómetros de cumprimento e seis de largura, a Ilha do Cabo é habitada por aproximadamente dez mil pessoas. De salientar que na costa de Luanda as calemas destruíram oito residências e três pessoas foram dadas como desaparecidas, tendo sido resgatados já dois corpos. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA