Mais de cinco milhões de alunos matriculados no ensino primário em 2015

Alunos de uma escola do II ciclo do ensino secundário (Foto: Angop/Arquivo)
Alunos de uma escola do II ciclo do ensino secundário (Foto: Angop/Arquivo)
Alunos de uma escola do II ciclo do ensino secundário (Foto: Angop/Arquivo)

O Executivo Angolano anunciou nesta quinta-feira, em Luanda, estarem matriculados no sistema normal de ensino e aprendizagem 5.100 mil alunos no ensino primário, correspondente a 102 por cento da meta estabelecida para o presente ano lectivo.

Os dados constam na mensagem sobre o Estado Nação lida pelo Vice-Presidente da República, Manuel Domingos Vicente, em representação do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, no âmbito da abertura da sessão solene da quarta sessão legislativa da terceira legislatura.

Segundo os dados, no I e II ciclo estão inscritos um milhão e oitenta e dois mil alunos, enquanto no ensino secundário estão registados 621.700 discentes no presente ano lectivo.

No ensino superior, de acordo com a informação, estão matriculados 203.888 alunos a frequentarem os diversos cursos, representando um aumento de 39 por cento em relação ao ano transacto.

Na mensagem lê-se ainda que o aumento de estudantes no ensino superior é resultado da inserção de novos cursos no currículo das instituições do ensino superior mais consentâneos com as necessidades formativas do país.

Na passada terça-feira, 13, o ministro da Educação, Pinda Simão, havia anunciado que o Executivo Angolano gasta anualmente 91 mil kwanzas por cada aluno do ensino secundário.

Em declarações à imprensa a saída da reunião da Comissão para a Política Social do Conselho de Ministros, Pinda Simão adiantou que este valor advém dos gastos para com o ensino gratuito. Em Angola o ensino primário e secundário público são gratuitos para todos os alunos.

Na altura o ministro adiantou estar em estudo uma proposta de classificação das instituições escolares, que passarão a ser classificadas por escolas A, escolas D e escolas com dimensão internacional.

Relativamente a escola D, Pinda Simão disse que serão aquelas com menos condições de qualidade no processo de ensino e aprendizagem, enquanto as da categoria A serão às que apresentarem as maiores valências para assegurarem a qualidade no sistema de ensino. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA