Luxo britânico

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

Luxuoso, exclusivo, requintado. Nenhum dos adjectivos é superlativo. Um luxo. O novo Rolls-Royce Dawn é o novo topo de gama desta mítica casa britânica, que não se coíbe em afirmar que este “é o mais sexy e luxuoso Rolls-Royce alguma vez construído”.

O nome diz tudo: Dawn – em português, amanhecer – e significa para a Rolls-Royce “um novo amanhecer entre os descapotáveis de superluxo”. O novo, ‘excitante e sensual’ descapotável, baseado num Wraith, é uma proposta ‘a céu aberto’.

Este Dawn é também um modelo revivalista, inspirado no raríssimo Rolls-Royce Silver Dawn, de que só 28 modelos foram construídos entre 1950 e 1954. Com 5,28 metros de comprimento, 1,85 metros de largura e 1,50 metros de altura, o Dawn mede o mesmo que o Wraith, mas muito menos que o Phantom Drophead Coupé, o outro descapotável da Rolls-Royce.

Anunciado como o descapotável mais silencioso do mercado, graças à utilização de uma superfície aveludada combinada com tecido French Seam, materiais que permitem que a deslocação do ar não se faça notar quando a capota está colocada.

Com um motor V12 6.6 biturbo com 571 cv às 5.250 rpm e 780 Nm de binário máximo disponível a partir das 1500 rpm, o Dawn demora apenas 4,9 segundos a acelerar de 0 a 100 km/h. A velocidade máxima está limitada a 250 km/h. O peso, em vazio, é de 2560 kg. São raras as ocasiões em que a Rolls-Royce cria um novo modelo, razão pela qual o lançamento do novo Dawn, que decorreu no Salão de Frankfurt, acabou por se revelar como um marco para o fabricante britânico pertencente ao grupo BMW.

Esteticamente, o novo Dawn não tem problemas em identificar- se como sendo um Rolls-Royce, embora a proeminente grelha do radiador tenha sido rebaixada e o pára-choques aumentado, face ao Wraith que serviu de base para este modelo.

Claramente destinado a um público mais jovem, mas que ainda assim deseja ter o que de melhor existe na indústria em termos de classe, luxo e exclusividade, este modelo possui uma traseira inspirada nos barcos de madeira, com a utilização de um compartimento de arrumação da cobertura de lona feito em madeira, demorando esta apenas 20 segundos para abrir totalmente.

No interior requintado, dominam as aplicações em madeira e couro da melhor qualidade, sem esquecer elementos que complementam o conforto e prazer de condução. Entre muitos outros luxos, apresenta ar condicionado de quatro zonas, sistema de som Bespoke com 16 altifalantes individuais com inserções cromadas.

O sistema hi-fi corrector da frequência do som para abafar o ruído inerente a um cabrio e da navegação gerível por ordem verbal por meio de um simples comando posicionado no volante, o Dawn usa o Satellite Aided Transmission estreado no Wraith em 2013 e que efectua a gestão automática da velocidade engrenada mediante a leitura antecipada que o sistema de navegação faz do perfil da estrada e do estado do trânsito.

Claro que não falta a icónica figura feminina – chamada de Spirit of Ecstasy – que encabeça as grelhas dianteiras dos modelos desta marca criada há 109 anos em Manchester, por Charles Stewart Rolls e sir Frederick Henry Royce. Vale a pena experimentar. (expansao.ao)

Por: Cândida Santos Silva

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA