Luaty “pode entrar em colapso a todo o momento”

(Euronews)
(Euronews)
(Euronews)

“A saúde de Luaty Beirão pode degradar-se de repente”, as palavras são da mulher do ativista em greve de fome há 33 dias. Em declarações à Euronews, Mónica Almeida referiu que, segundo o médico, a alteração da saúde do marido pode ocorrer de repente e tornar-se irreversível. O jovem ativista sentiu dormência em todos os membros do corpo na quinta-feira, mas para já encontra-se bem, estável, numa clinica privada de Luada, onde está detido.

No plano judicial, o Tribunal Supremo está para decidir, há 22 dias, um pedido de ‘habeas corpus’ para a libertação dos 15 jovens ativistas (incluindo Luaty), acusados de prepararem uma rebelião e um atentado contra o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

O advogado Luís Nascimento, que juntamente com o colega Walter Tondela defende 13 dos 17 arguidos no processo – duas jovens estão em liberdade provisória -, recordou que se trata do segundo ‘Habeas Corpus’ (o primeiro foi indeferido), recurso que em Angola, ao contrário de outros países, não tem tempo limite de decisão.

Em causa está uma operação policial desencadeada a 20 de junho de 2015, quando os ativistas angolanos foram detidos em Luanda, durante o que a acusação diz ser a sexta reunião semanal de um curso de formação de ativistas, para promover a destituição do atual regime.

Ainda segundo o Ministério Público, reuniam-se aos sábados para discutir as estratégias e ensinamentos da obra “Ferramentas para destruir o ditador e evitar uma nova ditadura, filosofia da libertação para Angola”, do professor universitário Domingos da Cruz – um dos arguidos detidos -, adaptado do livro “From Dictatorship to Democracy”, do norte-americano Gene Sharp.

Equipamento de fotografia e infomático confiscado

Durante a fase inicial do processo, as autoridades apreenderam à mulher de Luaty, Monica Almeida, profissional de fotografia, todo equipamento em casa – cameras fotográficas, lentes, computadores e discos rigidos – avaliado em cerca de 20 mil euros, para além de todas as suas fotografias. Nenhum material foi ainda devolvido.

Catarina Martins: “Se Portugal não denunciar esta situação é cúmplice”

Esta sexta-feira, a porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, pediu a liberdade para o luso-angolano e disse que se Portugal não denunciar esta situação é cúmplice de um atentado aos direitos humanos.

“Quem no nosso país se calar sobre o que está a acontecer em Angola com estes ativistas pela liberdade é cúmplice de um atentado aos direitos humanos, é cúmplice da existência de presos políticos num país com o qual Portugal tem tantas relações”, afirmou aos jornalistas no parlamento.

A porta-voz do BE envergava uma t-shirt branca com o rosto de Luaty Beirão e estava rodeada dos restantes 18 deputados bloquistas que vestiam igualmente t-shirts semelhantes ou que diziam “liberdade já”.

Paulo de Morais acredita estarmos perante o prenúncio do desmoronar do regime

Num artigo publicado num jornal angolano, o candidato presidencial português Paulo de Morais, afirmou que a reação desmedida do Governo angolano contra os jovens ativistas é um prenúncio do desmoronar do regime do Presidente José Eduardo dos Santos. “Um regime assente numa estrutura de poder com décadas, dispondo de Forças Armadas das mais bem equipadas do mundo, revela medo perante um pequeno grupo de jovens músicos e ativistas, que acusa de conspirar para derrubar o Governo?!”, questiona Paulo de Morais no artigo “Há sempre alguém que resiste”, publicado no jornal Folha 8.

As movimentações de personalidades políticas sucedem-se, o embaixador de Portugal em Luanda, João da Câmara, reuniu-se na quinta-feira com Luaty Beirão, mas saiu da clínica sem prestar declarações. O encontro durou cerca de 20 minutos. (euronews.com)

por Michel Santos

6 COMENTÁRIOS

  1. A liberdade não tem preço. Libertem Luaty e os demais Companheiros. A DISA nunca acabou. Estão escondidos sob a capa de diplomatas, funcionários, ministros-conselheiros. Haja Dignidade.
    Onde estão os 30 mil que mataram no 27 de Maio ? Fora. Fora.

  2. A liberdade não tem preço. Libertem Luaty e os demais Companheiros. A DISA nunca acabou. Estão escondidos sob a capa de diplomatas, funcionários, ministros-conselheiros. Haja Dignidade.
    Onde estão os 30 mil que mataram no 27 de Maio ? Fora. Fora.

  3. Até quando? Deviam também visitar o Hospital Psiquiátrico de Luanda. Outro local onde os doentes parecem que estão num Campo de Concentração de 1945. Luxos na miséria. Libertem os jovens e digam como enriqueceram? Como enriqueceram ? Como se compra a Effacec. O Bloco de Esquerda também deve questionar porquê que as Empresas portuguesas aceitam receber dinheiro de Angola? LIBERDADE PARA OS JOVENS ACTIVISTAS. LEMBREM-SE DA LUTA CONTRA O COLONO.

  4. Até quando? Deviam também visitar o Hospital Psiquiátrico de Luanda. Outro local onde os doentes parecem que estão num Campo de Concentração de 1945. Luxos na miséria. Libertem os jovens e digam como enriqueceram? Como enriqueceram ? Como se compra a Effacec. O Bloco de Esquerda também deve questionar porquê que as Empresas portuguesas aceitam receber dinheiro de Angola? LIBERDADE PARA OS JOVENS ACTIVISTAS. LEMBREM-SE DA LUTA CONTRA O COLONO.

DEIXE UMA RESPOSTA