Guiné-Bissau: Zamora Induta acusado de terrrorismo

Dois antigos CEMGFA de Guiné-Bissau: à esquerda António Indjai, à direita Zamora Induta (AFP)
Dois antigos CEMGFA de Guiné-Bissau: à esquerda António Indjai, à direita Zamora Induta (AFP)
Dois antigos CEMGFA de Guiné-Bissau: à esquerda António Indjai, à direita Zamora Induta
(AFP)

A defesa do contra-almirante Zamora Induta detido há um mês no quartel de Mansoa, foi hoje formalmente notificada de que o arguido é acusado de crimes de organização terrorista, de inversão da ordem constitucional e de homicídio, no caso da alegada tentativa de contra golpe de Estado ocorrida há precisamente três anos.

José Paulo Semedo, advogado de defesa do antigo Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas confirma ter recebido esta quarta-feira (21/10) a formalização da acusação de que é alvo Zamora Induta, detido no Quartel de Mansoa desde 22 de Setembro.

A defesa continua a exigir a sua libertação e não obteve resposta quanto ao pedido de “habeas corpus”, mas foi constituída uma equipa de seis advogados, para preparar a contra argumentação, às “acusações de crime de organização terrorista, crime de inversão da ordem constitucional, crime de homicídio e outros no género”, de que o também antigo Chefe de Estado Maior da Armada é acusado.

José Zamora Induta é assim actualmente o único acusado no caso do tentativa de golpe de Estado de 21 de Outubro de 2012, dado que várias pessoas entre as quais o líder do ataque ao quartel dos “bóinas vermelhas” em Bissau, capitão Pansau N’Tchama, ex guarda costas de Zamora Induta, denunciou-o como sendo o cabecilha do golpe, foi alvo de um indulto presidencial em 2014. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA