Grupo chinês Level Constellation negoceia imóveis do Novo Banco

(Negocios)
(Negocios)
(Negocios)

O grupo chinês Level Constellation está a negociar a compra de imóveis do Novo Banco. “Estamos a negociar um projecto de grande dimensão com activos do Novo Banco”, revelou Wen Yingjie, líder executivo da empresa à Bloomberg.

Os chineses da Level Constellation estão a negociar a compra de parte da carteira de imóveis do Novo Banco, avaliada em 2,8 mil milhões de euros, avança a Bloomberg, citando o responsável executivo do grupo chinês.

“Estamos a negociar com um banqueiro um projecto de grande dimensão com activos do Novo Banco. Queremos ficar com grandes projectos”, revelou à agência Wen Yingjie, responsável executivo da Level Constellation.

Desde 2014 que o grupo chinês está de olho em activos imobiliários localizados em Portugal, designadamente imóveis antigos em Lisboa, tendo já uma carteira avaliada em 20 milhões de euros. No ano passado, a Level Constelaltion comprou a antigos escritórios do Santander Totta na baixa lisboeta por 7,3 milhões de euros, derrotando uma oferta apresentada pelo fundo de pensões do Banco de Portugal, refere a Bloomberg.

O grupo imobiliário chinês pretende investir 500 milhões de euros em imobiliário em Portugal nos próximos cinco anos, revelou Wen à agência de notícias. O objectivo é reunir um “portefólio global de activos”, adiantou o também co-fundador da Level Constellation.

O interesse nos imóveis do Novo Banco surge numa altura em que a equipa de gestão liderada por Eduardo Stock da Cunha está a elaborar um plano de reestruturação destinado a optimizar os rácios de solidez da instituição. A venda de activos, designadamente imobiliários, e o desinvestimento em alguns mercados internacionais serão as linhas de força deste programa.

Contactada pela Bloomberg, fonte oficial do Novo Banco recusou fazer comentários sobre as negociações com a Level Constellation.

De acordo com Wen, a estratégia do grupo chinês passa por revender imóveis a investidores da China e de outros países, tirando partido dos preços competitivos do mercado imobiliário português e do programa de vistos gold que permite a não europeus obter autorização de residência em Portugal mediante um investimento imobiliário a partir de determinado montante. (jornaldenegocios.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA