Fitch coloca Nossa Seguros no “lixo”

(Expansao)
(Expansao)
(Expansao)

A agência de notação financeira Fitch Ratings atribuiu a classificação Insurance Financial Strenght (IFS) ‘B+’ à Nossa Seguros, com ‘perspectiva estável’, o que torna a empresa na primeira companhia de seguros angolana a sujeitar-se a um processo de notação de risco e a única do sector a ser avaliada numa escala que permite comparações a nível mundial.

O rating IFS da Nossa está ao mesmo nível tanto do Issuer Default Ratings (IDR) do Banco Angolano de Investimentos (BAI), principal accionista da instituição (com 72%), como do Estado, considerados ‘lixo’.

O BAI recebeu, a 23 de Abril de 2014, por parte da Fitch, a classificação de ‘B+’, no que tem que ver com o IDR – rating de incumprimento do emissor, de longo prazo em moeda estrangeira, e ‘B’ para o Rating de Viabilidade (RV).

No final de Setembro último, a mesma Fitch anunciou a revisão em baixa do rating de Angola, de ‘BB-‘ para ‘B+’, um ‘corte’ de um nível que traduz os efeitos da baixa cotação de petróleo sobre a economia do País.

Entretanto, a Fitch explicou que, apesar da redução do rating, o outlook de Angola é ‘estável’, devido ao facto de o Governo ter tomado medidas de política orçamental, monetária e cambial para combater a influência negativa da dependência do petróleo. Reagindo ao Expansão sobre a atribuição da classificação, Carlos Duarte, presidente do conselho de administração (PCA) da Nossa Seguros, afirmou que a nota final da pauta não era o mais importante.

O responsável preferiu enfatizar o que a notação representa. O rating atribuído representa, acima de tudo, explicou, um caminho que a empresa decidiu percorrer, há uns anos, relativamente à disciplina financeira e à transparência da sua gestão.

“A nota final da ‘pauta’ não era o mais importante. Sabíamos também que a notação do rating da Nossa Seguros estaria sempre condicionada pelo rating soberano e pelo do accionista principal, o BAI. Foi neste contexto que obtivemos uma notação ‘B+’, que é francamente a melhor notação a que poderíamos aspirar”, referiu Carlos Duarte.

Com esta classificação, a Nossa Seguros entra no ‘radar’ daquilo que são os programas de resseguros das grandes multinacionais a nível global e que a nível doméstico precisam sempre de um parceiro, indicou o PCA.

Desta forma, acrescentou, passam a ter uma referência de uma seguradora com um rating que é equiparável ao de outras noutras partes do mundo. “Isto dá-nos alguma visibilidade junto desse segmento do mercado energético e das multinacionais. Penso que há uma mensagem também forte que passamos aos nossos clientes no sentido de cimentarem alguma confiança nos nossos serviços e nas nossas competências”, concluiu.

A Nossa Seguros actua no mercado angolano há 10 anos. (expansao.co.ao)

por Francisco de Andrade

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA