Eles que se arranjem

VASCO PULIDO VALENTE (Jornal Público) (Foto: D.R.)
VASCO PULIDO VALENTE (Jornal Público) (Foto: D.R.)
VASCO PULIDO VALENTE
(Jornal Público)
(Foto: D.R.)

Se Passos aceitar esta extravagância, comete um suicídio grotesco e parte o PSD aos bocadinhos.

Cavaco, apesar de quatro maiorias, nunca foi um bom político. Agora, por exemplo, começou por não antecipar as legislativas para Junho, com o propósito presumível de dar uma ajudinha a Passos. Não deu uma ajudinha que chegasse: Passos ficou em minoria e não pode governar. E Cavaco, que se paralisou a si próprio, tem de aturar a Assembleia que saiu do 4 de Outubro, por muito que ela o desgoste e meta medo. Pior: o Presidente pediu incessantemente uma aliança estável e duradoura entre o PS e o PSD e só há 15 dias percebeu que o ódio que pouco a pouco ia crescendo entre a esquerda e a direita impedia o mais vago compromisso ao centro. O que lhe apareceu no fim acabou por ser uma coligação do PS, do Bloco e do PC, que ele amplamente mereceu.

Anteontem indigitou Passos Coelho para primeiro-ministro, seguindo uma velha tradição do regime. Infelizmente, não ficou por aí. Já ganhara o que devia ganhar, transferindo para a Assembleia da República o odioso de afastar a direita. Não era preciso mais nada. Só que o dr. Cavaco resolveu fazer uma cena de irritação e despeito: insultou a esquerda, tentou dividir o PS (uma ideia ridícula) e deu a entender que, se as coisas se estragassem, não se importava por aí além de deixar Passos Coelho nove meses pendurado num Governo de gestão. Doesse a quem doesse, evidentemente. Se Passos aceitar esta extravagância, comete um suicídio grotesco e parte o PSD aos bocadinhos. O que lhe convém é isolar Costa e a sua gente e assistir com tranquilidade ao desastre que eles vão criar. Nem bom dia, nem boa tarde, eles que se arranjem.

A solidão do bravo e coleante secretário-geral do PS e das magníficas criaturas que o empurram talvez não impressionem o português comum. Mas, sem dúvida, aquilo que faz falta ao português comum é conhecer à sua custa a nossa querida “esquerda” e a maneira como ela funciona. Os sound bites da televisão e a gritaria dos debates não chegam para conhecer em profundidade a natureza e a beleza de tão extraordinário bicho. Se conseguirem não se dirigir a esse bicho durante a oposição (que já começou), Passos Coelho e Paulo Portas irão inevitavelmente ganhar, quando o próximo Presidente da República acabar com a farsa que António Costa montou e que, no fundo, mais de metade dos portugueses desprezam. (publico.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA