Discurso do Presidente da República

Presidente da República, José Eduardo dos Santos (Foto: Francisco Miúdo)
Presidente da República, José Eduardo dos Santos (Foto: Francisco Miúdo)
Presidente da República, José Eduardo dos Santos (Foto: Francisco Miúdo)

DISCURSO PRONUNCIADO POR SUA EXCELÊNCIA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA, POR OCASIÃO DA VISITA OFICIAL DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DO BOTSWANA LUANDA, 13.10.15

Sua Excelência

Seretse Khama Ian Khama,

Senhores Ministros das Delegações da República do Botswana e da República de Angola,

Senhores Embaixadores,

Minhas Senhoras e Meus Senhores,

Caro Irmão,

É com bastante satisfação que o recebemos hoje no nosso país, nesta sua primeira visita de Estado à República de Angola. Essa visita traduz os laços culturais e de amizade existentes entre os nossos dois países e a nossa vontade comum de elevarmos as relações de cooperação económica.

Espero que durante esta sua breve estadia possa desfrutar da tradicional hospitalidade do Povo angolano e sentir-se aqui como se estivesse no seu próprio país.

De facto, os laços culturais e históricos que nos unem transcendem a distância geográfica que nos separa e constituem factores susceptíveis de conferir maior dimensão e fortalecimento ao relacionamento existente entre os nossos dois Estados.

Por essa razão, temos vindo a desenvolver esforços no sentido de contribuir para o processo de integração regional de forma harmoniosa, o que implica também aprofundarmos as relações de cooperação e parceria nos mais distintos domínios, principalmente naqueles em que as valências de cada um possam contribuir para a criação de vantagens recíprocas.

Na verdade, o futuro do processo de integração regional depende do desenvolvimento económico, social, político e cultural de cada um dos nossos países. O desenvolvimento deve aproximar-nos e exige para tanto uma cooperação permanente baseada em relações harmoniosas e fraternas. Deste modo, desejamos ver reforçadas as nossas relações de cooperação bilateral que hoje com a sua visita encontram uma oportunidade de serem perspectivadas e relançadas.

São muitos os domínios em que Angola e o Botswana podem cooperar com benefícios recíprocos, nomeadamente na agricultura, energia e águas, hotelaria e turismo, ambiente, geologia e minas, telecomunicações e comércio, etc.

O contexto actual que os nossos países vivem, em virtude da situação da crise internacional, levam-nos a adoptar políticas idênticas com vista à diversificação das nossas respectivas economias, havendo, por conseguinte, a necessidade de se privilegiar a cooperação sul-sul, por forma a encontrarmos nas potencialidades humanas e materiais existentes nos nossos países, a solução para fazer face às dificuldades actuais.

Por outro lado, os países da Região Austral, integrados na SADC estão a edificar Estados Democráticos e de Direito, realizam periodicamente eleições gerais livres e justas e procuram respeitar os princípios fundamentais que devem reger as democracias modernas.

Esta identidade de princípios entre os nossos países facilita também o diálogo, a solidariedade e a cooperação a nível político e diplomático.

Senhor Presidente,

Os nossos dois países devem igualmente conjugar os seus esforços no sentido de se preservar o clima de paz, estabilidade política e segurança que a Região Austral vive actualmente, tendo em conta que este é o principal garante de condições para o desenvolvimento.

Daí o nosso empenho, em buscarmos as melhores vias de prevenção, gestão e resolução de diferendos e conflitos, em África, em especial na África Austral, Central e na Região dos Grandes Lagos, na perspectiva de criarmos condições que propiciem o progresso e o bem-estar dos nossos povos.

Deste modo, devemos fazer as concertações necessárias e conjugar esforços para combater o terrorismo, a imigração ilegal, o tráfico de armas, de narcóticos, de seres humanos e de espécies biológicas ameaçadas de extinção, bem como a destruição dos eco-sistemas e a degradação ambiental, de um modo geral.

Senhor Presidente,

Urge que os nossos países adoptem um Plano de Acção com prazos e metas bem definidas com vista à troca de conhecimentos e de experiência e ao estudo das potencialidades existentes de interesse comum e procedam o relançamento dos trabalhos da nossa Comissão Bilateral.

Senhor Presidente,

Reitero os meus votos de boas vindas a Si e a Delegação que o acompanha, desejando que esta visita alcance os objectivos que os nossos dois Povos e Governos almejam.

Muito Obrigado!
(portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA