Cunene: Projectos aguardam por financiamento do Angola Investe

Cunene: Francisco Boleth Salu - Presidente provincial da Câmara do Comércio e Industria (Foto: Angop/Arq)
Cunene: Francisco Boleth Salu - Presidente provincial da Câmara do Comércio e Industria (Foto: Angop/Arq)
Cunene: Francisco Boleth Salu – Presidente provincial da Câmara do Comércio e Industria (Foto: Angop/Arq)

Dezoito projectos de investimentos de empresários na província do Cuneneaguardam por financiamentos no âmbito do Programa do Governo “Angola Investe”, informou hoje, em Ondjiva, o presidente local da Câmara de Comercio e Indústria, Francisco Boleth Salú.

Ao falar à Angop acerac do acesso de empresários do Cunene ao programa Angola Investe, o responsável disse que o programa foi criado em 2012 e até o momento nenhum projecto do Cunene mereceu respaldo favorável, facto que constitui preocupação para classe empresarial local.

Esclareceu que no decurso deste ano, uma delegação da Câmara de Comércio e Indústria do Cunene deslocou-se a Luanda para inteirar-se do caso junto da coordenação do programa, onde foram informados que os processos correm os seus trâmites legais.

Francisco Salú frisou que os 18 projectos constam das áreas abrangidas pelo Angola Investe, bem como foram elaborados os estudos de viabilidade, uma condição essencial para sua aprovação.

Segundo o responsável, Cunene é a única província que ainda não tem projectos financiados pelo Angola Investe.

Francisco Salú disse que em função dessa realidade, em Maio deste ano, esteve na província uma delegação do Instituto Nacional de Apoio às Micros, Pequenas e Médias Empresas (Inapem), chefiada pelo administrador para área de planeamento e finanças, Samora Mendonça Silva, que se reuniu com os empresários locais com o objectivo ultrapassar a situação.

O Programa Angola Investe a nível do país já aprovou e financiou 445 projectos.

O Angola Investe, criado em Setembro de 2012, conta com o suporte financeiro de 22 bancos comerciais angolanos, com o objectivo de criar uma classe empresarial nacional forte, através do programa de apoio a micro, pequena e médias empresas.

Tem como sectores prioritários hotelaria e turismo, fomento agro-pecuário, pescas e fabricação de materiais de apoio ao sector produtivo. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA