Cuanza Norte: Ngolome pode ser transformado em zona de turismo pesqueiro

Director da agricultura, Humberto Mesquita, augura surgimento de turismo pesqueiro no Ngolome (Foto: Henri Celso)
Director da agricultura, Humberto Mesquita, augura surgimento de turismo pesqueiro no Ngolome (Foto: Henri Celso)
Director da agricultura, Humberto Mesquita, augura surgimento de turismo pesqueiro no Ngolome (Foto: Henri Celso)

O director provincial do Cuanza Norte da Agricultura e Pescas, Fernando Humberto Mesquita, realçou quarta-feira, em Cambambe, os benefícios para a região de um incremento das ações de promoção do turismo pesqueiro na localidade do Ngolome, comuna de Massangano, face os investimentos do governo angolano e parceiros internacionais.

Em declarações à imprensa, Fernando Mesquita disse que o governo angolano, em parceria com a FAO, encontra-se empenhado na criação de condições para a potenciação da actividade pesqueira na lagoa do Ngolome, incluindo a construção de um bairro residencial, para que possa ser despertado um maior interesse das pessoas sobre as potencialidades da região.

A zona piscatória do Ngolome, 66 quilómetros do Dondo, sede do município de Cambambe, conta desde 12 de Outubro do corrente com uma plataforma de processamento de pescado, com vocação também de administrar formação aos pescadores. A infra-estrutura foi inaugurada pela ministra das Pescas, Victória de Barros Neto.

A avalanche de visitantes esperados será respondida com a criação de espaços residenciais para albergar moradores e transeuntes, assegurou o responsável.

Estes investimentos associam-se às potencialidades já existentes na comuna de Massangano, com realce para a vila histórica que é a sede comunal, o centro de larvicultura do Mucoso bem como a criação de zonas industriais, o que justifica a transformação de Ngolome num imponente centro turístico, argumentou.

Apesar da existência de vários recintos piscatórios a nível da província, tais como as lagoas da Banga, de Samba Cajú e de Lucala, a região de Massangano continua a atrair as atenções do governo pois além das lagoas a comuna é banhada pelos rios Kwanza e Lucala, nos quais também se pratica a pesca continental, lembrou o entrevistado.

Com isso, acrescentou, poderão surgir nesta região investimentos privados no sector agrícola, em torno da orla local, o que vai conferir um outro alento à circunscrição e assim atender a ansiedade dos visitantes, sobretudo estudantes, que poderão efectuar pesquisas nos domínios marinho e agrícola.

Na província do Cuanza Norte estão controlados mais de 600 pescadores, maioritariamente em Cambambe, que se dedicam à captura do bagre, cacusso, mussolo, pelar, tanhia, dicuango, mungongono e outras espécies existentes na região. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA