Cuanza Norte: Administração de Ambaca vai reaver lotes para construção desaproveitados

Administração de Ambaca poderá reaver terrenos para construção abandonados (Foto: Frederico Herculano/Arq)
Administração de Ambaca poderá reaver terrenos para construção abandonados  (Foto: Frederico Herculano/Arq)
Administração de Ambaca poderá reaver terrenos para construção abandonados (Foto: Frederico Herculano/Arq)

A Administração Municipal de Ambaca, província do Cuanza Norte, iniciou este mês, nesta localidade, um processo de desapropriação dos terrenos concedidos a cidadãos para a auto-construção por incumprimento dos prazos estabelecidos.

A informação foi prestada hoje à Angop, em Camabatela, pelo responsável da secção de urbanismo e ordenamento do território, Adelino João Beca, avançando que os terrenos foram distribuídos o ano passado mas até ao momento, os beneficiários não mostraram nenhum interesse em construir, o que está a criar grandes embaraços ao processo de construção ordenada da urbe.

As parcelas em causa fazem parte de 140 talhões preparados num espaço de três hectares para a construção de residências e de infraestruturas comerciais.

Esclareceu que as zonas loteadas estão agora consumidas pelo capim, facto que está a ofuscar a imagem da vila. Por esta razão, os actuais beneficiários perderão os espaços em favor de quem tenha vontade de construir.

Informou que a zona loteada tem um paradigma para a construção, e todos os que receberam os lotes aceitaram as pré-condições, por este facto, devem construir de acordo com o estipulado, pois os lotes estão numa zona de referência para a imagem da vila de Camabatela.

Adelino João Beca adiantou igualmente estar também em curso um processo de ordenamento da periferia, de modo a que as construções ainda precárias a serem feitas sigam já as novas regras de urbanização, contando para tal com o apoio das autoridades tradicionais.

Uma das estratégias é responder com celeridade os pedidos dos populares, sobretudo na periferia, pois esta é a melhor forma de combater as construções anárquicas ou feitas em zonas de risco, assegurou.

Disse que administração municipal recebe muitas solicitações sobretudo das zonas periféricas onde há cada vez mais novas famílias que desejam construir a casa própria.

Camabatela, sede do município de Ambaca, está em franco crescimento e nos últimos cinco anos viu a sua população triplicar de 10 mil para mais de 30 mil habitantes, criando problemas de crescimento desordenado.

A localidade dista 180 quilómetros a nordeste de Ndalatando, capital da província do Cuanza Norte. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA