Crédito concedido em moeda estrangeira resiste à falta de dólares

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

(actualização) Apesar da escassez de dólares que afecta o mercado e que vem obrigando à depreciação do kwanza face ao diferencial entre a taxa de câmbio oficial e informal, os empréstimos em moeda estrangeira, até ao final de Agosto, têm vindo a aumentar, quando expressos em moeda nacional – o que também reflecte naturalmente, aquela depreciação.

Mas, mesmo contando com um ‘efeito desvalorização’, que amplifica o valor em kwanzas do crédito concedido em divisas, os empréstimos em moeda estrangeira efectuados pelas ‘outras instituições financeiras monetárias’, ou seja, o sector bancário, ao sector privado não se retraíram significativamente com a crise, decaindo apenas 5%.

De acordo com os dados compilados por OPAÍS com base na ‘Síntese Monetária’ (Nova Série) do Banco Nacional de Angola (BNA), o saldo do crédito (stock) concedido ao sector privado em moeda estrangeira atingiram, no fim do mês de Agosto, Kz 848,299 mil milhões. O que representa uma subida em relação ao saldo apurado no final do mês anterior e também uma subida em relação a 2014, quando o saldo foi de Kz 730,572 mil milhões).

No entanto, entrando em linha de conta com o efeito depreciação da moeda nacional os números são outros. Assim, se no final de 2014, o crédito ao sector privado ascendia a USD 7.102 milhões, no termo de Agosto deste ano atingia USD 6.774 milhões, traduzindo uma retracção de perto de 5%.

O saldo, no final do mês, dos empréstimos em moeda estrangeira, expressos em kwanzas, a outros sectores residentes, decaiu ligeiramente entre Julho e Agosto (de Kz 156 mil milhões para Kz 152,6 mil milhões, superando, no entanto, o apurado em 2014 (Kz 139 mil milhões).

Não residentes com menos crédito

Os saldos, no final do mês, dos empréstimos em moeda estrangeira a não residentes diminuíram, de igual modo, em Agosto relativamente a Julho (Kz 287,83 mil milhões contra Kz 326 mil milhões). Em 2014 situaram-se em Kz 31,9 mil milhões. Também o saldo, no final do mês, do montante de notas e moedas externas na posse do sistema bancário, quando traduzido em moeda nacional, aumentou ligeiramente, situando-se, em Agosto, em Kz 32,1 mil milhões.

No final de 2014 atingiu Kz 31,9 mil milhões. No seu conjunto, o crédito (tanto em moeda nacional como em moeda estrangeira mas sempre denominado em kwanzas) concedido pelo sistema bancário ao sector privado (englobando sociedades não financeiras e outros sectores residentes) aumentou, em Agosto, para pouco mais de Kz 3.040 mil milhões, situando-se, desde Julho, acima dos Kz 3 biliões.

No final de 2014, o crédito ao sector privado, em sentido amplo, situava-se em Kz 2.809 mil milhões. Já o crédito ao sector público (saldo no final do mês) diminuiu de Kz 78,5 mil milhões em Julho para Kz 73 mil milhões em Agosto. Em 2014 situou-se em Kz 61,58 mil milhões.

Os sectores que mais beneficiam

No que respeita à partição do crédito por sectores de actividade, os maiores beneficiados foram os particulares (com um saldo de Kz 650,4 milhões no final de Agosto), seguindo-se, o comércio por grosso e a retalho (Kz 621 mil milhões) e a actividade imobiliária, alugueres e serviços prestados às empresas (Kz 459 mil milhões). O saldo, no final do mês de Agosto, do crédito concedido ao sector da construção ascendia a Kz 404 mil milhões, o do crédito concedido à indústria transformadora a Kz 297,9 mil milhões e o atribuído à agricultura, produção animal, caça e silvicultura a Kz 171,9 mil milhões. (opais.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA