Cidades do litoral passam a ter energia

Abastecimento de energia eléctrica (Foto: Angop)

Cerca de cinco mil famílias residentes nas cidades do Lobito, Catumbela e Baía Farta vão ver melhorado, nos próximos dias, o abastecimento de energia eléctrica,

Abastecimento de energia eléctrica (Foto: Angop)
Abastecimento de energia eléctrica (Foto: Angop)

No âmbito de um programa de electrificação  desenvolvido pela Direcção Provincial da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) de Benguela, disse, ontem, o porta-voz da empresa. Hélio de Almeida explicou que a electrificação das cidades situadas no litoral  de Benguela constitui prioridade, daí pedir aos consumidores para manterem uma atitude responsável no consumo de energia.

A empresa está a desenvolver um processo de extensão para electrificação de alguns bairros, tidos como áreas cinzentas, no âmbito do reforço da capacidade de distribuição, instalando novos postes de transformação”, disse Hélio de Almeida, para acrescentar.

“O programa de reforço do abastecimento de energia começou na cidade de Benguela com a instalação de novos postos de transformação na rua Damas de Moura, na travessa Bernardino Correia e nas zonas do Campismo, Calombotão, Calossombequa, Fronteira e parte do 11 de Novembro.”

No Lobito, explicou Hélio de Almeida, a empreitada  beneficia  a nova área residencial do Bairro da Luz, enquanto na Boa Esperança abrange a zona alta da cidade.

Na cidade da Baia Farta, foi feita a ligação à rede para os domicílios nos bairros do Calueque e Cassanje, áreas habitacionais que nunca tiveram corrente eléctrica, explicou Hélio de Almeida, referindo que vão ser instalados, numa primeira fase, oito mil contadores pré-pagos nas três cidades.

Os trabalhos de implementação do programa começaram este mês, devendo ser efectuado de forma gradual, tendo como ponto de partida a cidade piscatória da Baía Farta.

“O novo método de distribuição de energia é a opção mais simples e segura para os consumidores porque permite ao cliente controlar melhor o seu consumo”, sublinhou Hélio de Almeida, para acrescentar que o sistema pré-pago evita a deslocação de técnicos da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade às casas dos consumidores para as cobranças e cortes por dívidas. (jornaldeangola.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA