China diz que liberdade de navegação “não deve ser usada como desculpa” para mostrar força

Destroier USS Lassen (centro) navega pelas águas a leste da península coreana durante exercício militar. Os EUA planeiam enviar esse contratorpedeiro à região das ilhas artificiais construídas pela China no Mar do Sul da China (REUTERS/Marinha dos EUA/Divulgação)
Destroier USS Lassen (centro) navega pelas águas a leste da península coreana durante exercício militar. Os EUA planeiam enviar esse contratorpedeiro à região das ilhas artificiais construídas pela China no Mar do Sul da China (REUTERS/Marinha dos EUA/Divulgação)
Destroier USS Lassen (centro) navega pelas águas a leste da península coreana durante exercício militar. Os EUA planeiam enviar esse contratorpedeiro à região das ilhas artificiais construídas pela China no Mar do Sul da China (REUTERS/Marinha dos EUA/Divulgação)

A embaixada chinesa em Washington afirmou nesta segunda-feira que o conceito de liberdade de navegação não deve ser usado como desculpa para demonstrar força, reagindo aos planos dos Estados Unidos de navegar dentro de uma área de 22 quilómetros das ilhas artificiais que os chineses construíram no Mar do Sul da China.

O porta-voz da embaixada, Zhu Haiquan, disse que os EUA devem “abster-se de dizer ou fazer algo provocativo e agir com responsabilidade na manutenção da paz e estabilidade regional”.

“A liberdade de navegação e sobrevoo não deve ser usada como desculpa para demonstrar força e minar a soberania e a segurança de outros países”, afirmou.

Uma autoridade norte-americana de Defesa disse mais cedo que a Marinha dos EUA planeia enviar um contratorpedeiro de mísseis guiados à região das ilhas artificiais construídas pelos chineses no Mar do Sul da China na terça-feira. (reuters.com)

por David Brunnstrom

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA